Cientistas confirmam mudanças no campo magnético da Terra

Artigo do: http://www.apolo11.com/spacenews.php?titulo=Cientistas_confirmam_mudancas_no_campo_magnetico_da_Terra&posic=dat_20150309-101142.inc

Baseado em dados da constelação de satélites Swarm, cientistas da agência espacial europeia confirmaram que mudanças importantes no campo magnético da Terra estão acontencente, entre elas o possível enfraquecimento da Anomalia Magnética que atua sobre o Brasil.Campo magnetcio da Terra
Clique para ampliarMedições feitas nos últimos seis meses confirmam uma tendência de enfraquecimento global, com quedas mais significativas no hemisfério ocidental do planeta, embora um aumento na intensidade tenha sido observado acima do oceano Índico desde janeiro de 2013.Além das medições de intensidade, os dados coletados também confirmam os estudos recentes que revelam o deslocamento do polo norte magnético em direção à Sibéria.Todas as anomalias verificadas foram detectadas a partir das linhas de força provenientes do núcleo da Terra, correspondente a 90% do total coletado. De acordo com a ESA, os outros 10% serão analisados neste ano e foram originados no manto, crosta, oceanos e magnetosfera terrestre.
Anomalia Magnética do Atlântico Sul
Um dos gráficos que mais chama a atenção é aquele observado no topo do artigo, onde se nota um enfraquecimento natural mais pronunciado nas linhas de fluxo magnético acima de toda a América do Sul, mas ligeiramente mais pronunciado no Sudeste e Centro-Oeste Brasileiros.Esta região de enfraquecimento é conhecido pelos pesquisadores como Anomalia Magnética do Atlântico Sul, ou AMAS.

Essa anomalia ocorre devido à uma espécie de depressão ou achatamento nas linhas no campo magnético da Terra acima desta região e tem como causa o desalinhamento entre o centro do campo magnético e o centro geográfico do planeta, deslocados entre si por cerca de 460 km no sentido sul-norte.

Esta anomalia foi descoberta em 1958 e sofre alterações ao longo do tempo, principalmente devido ao deslocamento dos polos magnéticos aliada ao enfraquecimento do campo de modo global.

Devido ao campo magnético ser mais fraco, partículas oriundas do cinturão de Van Allen se aproximam mais da alta atmosfera desta região, fazendo com que os níveis de radiação cósmica em grandes altitudes sejam mais altos nesta zona.

Embora os efeitos na superfície sejam praticamente desprezíveis, a AMAS afeta fortemente satélites e outras espaçonaves que orbitam algumas centenas de quilômetros de altitude.

Satélites que cruzam periodicamente a AMAS ficam expostos durante vários minutos à fortes doses de radiações e necessitam de proteção especial. A Estação Espacial Internacional, por exemplo, é dotada de um escudo especialmente desenvolvido para bloquear as radiações.
Estudos
De acordo com Rune Floberghagen, gerente da ESA para a missão Swarm, os dados registrados pelos satélites deverão proporcionar uma nova visão sobre muitos processos naturais que ocorrem em nosso planeta, desde aqueles que tem origem nas profundezas da Terra até os eventos desencadeadas pela atividade solar.

Além disso, no entender do pesquisador, as informações obtidas deverão trazer uma melhor compreensão dos motivos que estão causando o enfraquecimento do campo magnético terrestre e as possíveis consequências que isso terá no futuro.



Arte: O gráfico mostra a intensidade do campo magnético da Terra como registrado pelo satélite europeu SWARM. As áreas vermelhas representam locais onde o campo magnético é mais forte, enquanto as áreas azuis retratam diminuição na intensidade. Crédito: ESA/DTU Space, Apolo11.com.

Até aqui o artigo do Apolo11.com

Mas agora vamos aprofundar um pouquinho a  dissertação sobre o campo magnético da Terra.

Terra!
É o terceiro planeta do Sistema Solar. Um corpo rochoso de 4,5 bilhões de anos, com as características ideais para abrigar a vida: NOS!
E  para nós que vivemos nesse pequeno planeta cheio de água (oceanos) e terra é simplesmente perfeito …

… Pode-se dizer que ele tem o tamanho ideal … com direito a proporção entre a massa e densidade, entre gravidade e  temperatura média da superfície, entre a velocidade de rotação em torno do Sol e revolução em torno do seu próprio eixo;
… poderíamos até dizer o que nos dá todas as garantias necessárias para que possamos viver em paz e tranquilidade para o resto de nossos dias.

Mas não é assim!

A Terra se move … e muito. Sempre!
Mas eu não estou falando sobre o planeta ….  todos nós sabemos que o nosso planeta se move ao longo de sua órbita em torno do Sol de forma incansável. Falo da terra … a crosta terrestre, os continentes e dos mares que os separam. E movendo-se determina as alterações climáticas que a ciência tem encontrado através de estudos sobre a Paleoclimatologia.

slide_5

Os cientistas nos explicam o que é, provavelmente, a evolução geológica do nosso planeta. Evolução lenta e progressiva que não tem, é claro, ainda parado.

E temos também divulgado  que o nosso planeta tem uma característica fundamental, a fim de abrigar vida: tem um “escudo” contra a radiação cósmica (raios cósmicos), que são extremamente prejudiciais para o DNA dos seres vivos.

Este escudo é conhecido como o “campo magnético da Terra.”
Tudo isso nos  sabemos por que, graças à bússola (mas não só), nos permite nos orientar em todos os pontos do nosso planeta, com suficiente precisão, o que nos permite saber sempre onde está o norte (embora hoje nós preferimos o uso de GPS).

article-2545465-1AFF710A00000578-793_634x305

O campo magnético da Terra é composto de dois campos separados … um planetário, gerados dentro do núcleo do planeta, graças ao movimento giratório do mesmo, e um “da crosta “, gerado por minerais ferromagnéticos presentes nas rochas que formam a crosta terrestre.

As linhas de força que compõem o campo magnético da Terra, em seguida, se estendem no espaço onde estão “dobrados” pela força do vento solar.

A força do campo magnético da Terra é diretamente proporcional à atividade solar. Mais aumenta a atividade solar, mais o campo magnético da Terra é forte e sua proteção é mais eficaz.
Mais a Atividade solar diminui, mais ela também enfraquece o Campo Magnético da Terra … e notou-se, como resultado, um aumento no percentual de raios cósmicos que tem impacto na atmosfera superior (causando a formação de nuvens, chuva e raios), um aumento no número e na intensidade dos terremotos, bem como um aumento na erupções vulcânicas.

Graças aos estudos sobre paleomagnetismo, ou a reconstrução do campo magnético da Terra em vários momentos da ciência geológica histórica se explicou que periodicamente o campo magnético tende a reverter para a sua eliminação. Na prática, o que é atualmente o pólo norte magnético se torna o pólo sul magnético e vice-versa.

image002

A única certeza que temos sobre o campo magnético da Terra é que este, ciclicamente, começa a enfraquecer e, em seguida, começa a “oscilar” mais e mais rápido … até que, além de um certo ângulo de oscilação, ocorre a inversão magnética.

E aqui vem uma série de perguntas ….

A reconstrução histórica do movimento do Pólo Norte Magnético, mostra-nos que este mudou drasticamente ao longo dos últimos séculos. Mas se compararmos esse movimento com que fez o Pólo Sul magnético, em vez disso, nota-se que o último fez um deslocamentos muito menor. Por quê?

Sem nome

Nesta imagem vemos a projeção do movimento de ambos os pólos, nos últimos 500 anos LINHA VERMELHA. A diferença de deslocamento é considerável. Atrevo-me a dizer abismal. Como é a velocidade com que o pólo norte magnético está se movendo nos últimos anos. Velocidade na última década foi superior a 80 km / ano.

Sim … um Pólo Norte Magnético … correndo!

De fato, o movimento do Pólo Norte Magnético segue regras precisas … e oscila periodicamente “na frente” e “atras” …. 6 meses em uma direção, os outros seis meses volta atras. O Pólo Magnético Sul também flutua … mas em muito menor quantidade.

Esta diferença nos leva a considerar o fato de que, como o Campo Magnético da Terra (presumivelmente) produzida pela rotação do núcleo do planeta, deve (o condicional é obrigatório) respeitar regras precisas “estruturais”. Tem que ter um eixo  “duro” (na realidade, é apenas uma representação “virtual” de realidade física) nas extremidades dos quais, coincidindo com a intersecção do eixo com a superfície do planeta, é possível identificar os pontos geográficas conhecidos como  Pólo Norte Magnético e Pólo Sul Magnético.

Mas, se a oscilação entre o norte e o sul não é equilibrada a médio e longo prazo, bem como ter um certo grau de “oscilação” do eixo, há também uma mudança no ponto médio deste eixo com respeito ao núcleo do planeta. Portanto cai  a hipótese  que vê a gênese do campo magnético da Terra, devido ao movimento de rotação do núcleo da Terra.

Como resolver o dilema?

Basta dar um passo atrás …

4.341.606-1998304857-venda

O popular jogo de “cabo de guerra” é talvez o mais conhecido no mundo e é praticado em todos os lugares, desde tempos imemoriais.

Normalmente ele é jogado em terra … uma linha inicialmente colocado no centro que determina a derrota da equipe que primeiro se “deixa” arrastar do outro lado.
Agora imagine, apenas por um momento, para organizar um cabo de guerra entre dois barcos , no mar, sem referência, incluindo a linha de centro do “vencedor”. Como você faz, sem referência, para determinar quem arrasta o outro?
Você não pode! Einstein nos ensinou que tudo é relativo e que, sem uma referência precisa, não podemos dizer nada com alguma precisão.

A determinação do movimento do Pólo Norte Magnético, de fato, está relacionada com a posição geográfica que nos efetuamos sobre a superfície do planeta.

Ou … partindo do pressuposto de que, para nós, a crosta é quase imóvel em relação ao núcleo, procede-se com a identificação do ponto na superfície da Terra, nas quais as linhas de força do campo magnético terrestre são perfeitamente perpendicular à superfície em si. O ponto em que estas linhas de força são “entrantes”, será para nós o Pólo Norte Magnético. O ponto em que estas linhas de força são “de saída”, será para nós o pólo sul magnético.

Como vimos anteriormente, no entanto, ao longo do tempo a posição geográfica do  pólo norte magnético , mudou muito … e que estava “determinado”, que é o ponto, o Pólo Norte Magnético, ter-se movido. Mas temos a certeza?
E se em vez é a superfície do planeta que, por alguma estranha razão, move-se em relação a ele?

Charles Hapgood, um historiador americano que viveu no século passado (1904-1982), é o pai de duas teorias fascinantes. O primeiro é o chamado “teoria da mudança de pólo”, segundo a qual o eixo de rotação de um planeta não é estável em eterno mas varia a sua inclinação em relação ao plano orbital, e pode variar sempre … A segunda é aquela para nós a mais atual: a teoria do deslocamento da crosta da Terra.

Ambas as teorias não são bem aceitas pela comunidade científica, porque, na  opinião deles, violam  fortemente algumas (se não todos) as leis da físicas. Na realidade, isso não é assim, e talvez seja essas teorias, especialmente a segunda (uma vez que a primeira parece derivada da segunda), para justificar de alguma forma a realidade que nos rodeia.

Vamos vê-lo em detalhes.

A teoria do deslocamento da crosta terrestre, prevê que a mais   aceita classicamente teoria da Deriva Continental (e não em oposição a ela), que explica a geológica (mas não completamente)  evolução da superfície do planeta Terra, toda a crosta terrestre é considerada, de alguma forma como uma grande jangada flutuante sobre um” mar “, o manto, que pode ser mais ou menos fluido. Em condições particulares  devido a flutuações causadas ​​ao planeta por grandes eventos catastróficos tais como tsunamis (Indonésia em 2010, no Japão, em 2011), violentos terremotos (8,8 ° richter, Chile 2010; 8,9 ° richter, Japão 2011) ou fortes erupções vulcânicas (es Yellowston), ou pelo acúmulo de grandes quantidades de gelo (massas desequilibradas) sobre a superfície do planeta (Antártica e América do Norte), a crosta da Terra  desliza sobre o manto, assim como faria um barco no mar. Este deslizamento ocorreria  geologicamente em curto espaço de tempo e induze uma mudança  do “clima” enorme devido à nova latitude que iriam encontrar-se os vários continentes.

Com tal teoria se explicaria o movimento do Pólo Norte Magnético e se justifica a mudança da posição do Sol da Lua e das estrelas , ou as anomalias visíveis relatadas em inúmeras mapas geográficas do passado (como o mapa bem conhecida de Piri Reis).

Mas cientificamente o deslocamento da crosta terrestre é possível?

Nos últimos anos, a ciência descobriu como a atividade solar afeta o tempo de decaimento dos elementos radioativos presentes nas rochas terrestres e, especialmente, no núcleo do nosso planeta. Esta alteração envolve uma maior ou menor libertação de energia a partir do núcleo, na proporção inversa à atividade solar (ou seja, quando aumenta a atividade solares, a energia libertada a partir do núcleo da Terra diminui), e como  resultado, há uma variação da densidade do manto e magma.
Em princípio, portanto,  diminuindo a atividade solar a médio e longo prazo, há um aumento da energia liberada pelo núcleo da Terra, que faz com que tem um maior atrito do manto, que envolve uma forte redução do próprio revestimento com a crosta terrestre que, neste caso, é mais livre para mover-se como resultado das oscilações desequilibradas acima.

Este relatório é cada vez mais evidente ao longo dos anos … e é confirmado pelo aumento do número e a intensidade dos terremotos e erupções vulcânicas …. mas também com a velocidade de movimento do Pólo Norte Magnético. Se analisarmos bem este mapa (os pontos vermelhos são espaçadas em 50 anos de diferença), nota-se que o movimento do Pólo Norte Magnético dificilmente tem sido constante ao longo dos últimos 2000 anos, mas que, na verdade, em alguns períodos, foi caracterizado por uma notável velocidade de circulação, enquanto em outras vezes, no entanto, esta velocidade foi extremamente baixa.

arcticfig2

Agora vamos olhar para a reconstrução da atividade solar ao longo dos últimos 2000 anos …. (O gráfico mostra a reconstrução da atividade solar nos últimos 4.000 anos) …:

14c-2-solrecon

No gráfico as linhas verticais em verde, combinandas com os “mínimos solares”, mais ou menos intensos.

Agora, se fizermos a comparação entre os movimentos do Pólo Norte Magnético e o mínimo solar, nós imediatamente podemos notar que o movimento desta última é mais rápido durante os períodos de baixa atividade solar, mais que durante os períodos de alta atividade solar. Por exemplo … entre 500 dC e 750 dC, houve um movimento rápido, em especial entre os anos 650 e 700. Entre 950 e 1000 dC, no entanto, o movimento tem sido extremamente limitado. Da qui para frente, encontramos um novo conjunto de movimentos extremamente rápidos … entre 1300 e 1350 e entre 1450 e 1500. Trata-se esses movimentos para confirmar a suposição acima … porque só entre 1300 e 1500 houve o mínimo de Wolf e o minimo de SPORER  … separados por menos de um século de atividade solar “normal”.

Ao concluir este longo artigo … então … pode-se dizer que a atividade solar afeta o clima …. sendo a fonte de cerca de 98% da energia recebida do sistema climático do nosso planeta…. mas também influencia os terremotos e erupções vulcânicas, e, como acabamos de ver, também a velocidade de movimento do Pólo Norte Magnético …. ou … da crosta da Terra a respeito do Pólo Norte Magnético.

No entanto, não é fácil de entender como se pode verificar na realidade, um movimento tão óbvio da superfície da terra. Pelo menos até o presente … porque, aparentemente, a idade, com a construção dos grandes sítios megalíticos, ter entendido  monitorar de perto a situação, de modo de ajustar para a agricultura, pastagem e talvez até mesmo a vida cotidiana.

Todo esse raciocínio,  é o resultado de anos de estudo e análise da realidade que no envolve feito por estudiosos “fora do circuito” dos cientistas homologados  … e é destinado exclusivamente para a finalidade de encontrar uma explicação de muitas anomalias que a ciência “acadêmica” não fornece em modo  exaustivo.
Estudos recentes parecem encontrar em 2034 (mais ou menos) o momento em que teremos a reversão magnética ocorrerá em nosso planeta. Mesmo que eu não acredito em modo algum com essa definição de data achando que são movimentos de centenas ou milhares de anos e não de um ano para outro.
Mas acho que este evento já está em vigor e que o movimento muito rápido aparentemente atribuída ao Pólo Norte Magnético é apenas uma demonstração.

Antes se pensava que as mudanças e a reversão do campo magnético da Terra ocorreria em milhares de anos, mas estudos recentes mostram que a reversão é muita mais rápida, no ordem de 50-100 anos.

http://gji.oxfordjournals.org/content/199/2/1110.abstract?sid=a1c9b931-282f-4b31-84ff-3b7f50d93b8f

5 Comments

  1. Luiz
    Posted 20 março 2015 at 3:59 PM | Permalink

    Os Maias e os Sumérios em seus escritos indicam a reversão total do polo magnético no fim do katum páriod de 40 anos 20 antes e 20 depois da chegada a radiação cósmica ao nosso sistema(ocorrido em 2012), culminando no Solstício de dezembro de 2032 com a inversão do polo magnético. As variações ficarão mais intensas apartir de 2019 com o inincio do aumento da Atividade Solar, causando um arrasto intenso na Atmosfera do nosso sistema preparando o equilibrio dos planetas para as modificações necesárias para a Inversão completa levando 13 anos para finalização.

  2. Posted 20 março 2015 at 9:41 PM | Permalink

    Menor campo magnético, mais raios cósmicos, mais nuvens formadas maior resfriamento.

  3. Antonio Gomes
    Posted 22 março 2015 at 6:51 PM | Permalink

    É o processo já começou, a inversão já está acontecendo não sei ao certo quanto tempo levará, vai ser a primeira vez da humanidade dita civilizada que vai presenciar isso. Os campos magnéticos da terra podem desaparecer por completo, e não sabemos quanto tempo isso irá durar. O certo que se ele zerar perdemos nossas defesas dos defletores de raios cósmicos e gama bem como radiação solar. Isso não será nada bom para os seres vivos da terra.

  4. Ricardo Cichy
    Posted 30 setembro 2015 at 12:12 AM | Permalink

    Caso aconteça que em 2019 a vulnerabilidade da Terra seja real, devemos nos mobilizar para construir uma arca subterrânea ou submarina que abrigue toda a vida do Planeta, ou deixar que as pessoas decidam se devem viver na superfície normalmente ou tentar viver na superfície em abrigos particulares correndo os riscos incalculáveis que estas decisões irão acarretar. Caso tenhamos o conhecimento com antecedência, o quanto tempo irá durar esta mudança, poderemos com clareza calcular quanto tempo de mantimentos poderemos estocar para nossa sobrevivência e dos outros seres do planeta. Devemos unir esforços e juntar todo nosso conhecimento e manter o máximo de pessoas possíveis em condições para poder repassar aos herdeiros após esta faze dando continuidade a nossa existência e não perder o conhecimento que adquirimos ao longo deste milênio.

  5. kincas moraes
    Posted 21 abril 2016 at 5:36 PM | Permalink

    verdadeiramente isso já começou e dar para ser sentido pela sensibilidade que alguns seres humanos possuem eu sou radiestesista e sempre procuro aprimorar e criar novas técnicas faço locação de poços artesianos com uma nova técnica. e a 6 anos atrás estava marcando um local para uma perfuração e de repente a água sumiu misteriosamente e de la para cá comecei a pesquisar e tenho comigo algum conhecimento de como funciona as ondas eletromagnéticas. o mundo já passou por grandes acontecimentos e sei que se unir os conhecimentos seremos mais fortes abraços kincas moraes


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: