Alguns dizem NÃO

Em suma parece que estamos aí: os EUA abandonam o muito chique clube parisiense  da COP 21, aquilo dos salvamos o mundo custe o que custar, dos documentários catastróficos mas revestidos, das estrelas de Hollywood e conferências anuais nos trópicos usando aviões e barcos milhardários. Estamos na confusão global. Em jornais de grande circulação em todo o mundo se desencadeou o sarabanda infernal previsível de insultos dirigidos para os EUA e ao seu presidente destruidor do mondo, que polui tudo, egoísta, Herodes, louco, ignorante … em suma, as coisas habituais a partir do qual eu me dissocio de boa vontade para compartilhar algumas pensamentos alternativos, mesmo que eu NÃO concordo com o 95% da politica de direita de Trump, sendo eu, como todos sabem quem segue esse site, um esquerdista que não crê no aquecimento global antrópico sem provas e só com o convencimento ( não sou como a PF de Curitiba…) ao contrario de  todos os esquerdistas que acreditam talvez em boa fé ou como acho eu em má fé. 

 

Fig.1: A reação do mainstream

 

Escândalo político

No entanto, como você quer pensar, estamos diante de um escândalo político sem precedentes. Não, não estou falando de hackers russos, o chefes do FBI depostos ou de quaisquer vazamentos de noticias, o de ter um governo chefiado para um bando de delinquentes…. como quase todos os governos. Estamos diante de um presidente que tenta manter as promessas eleitorais , que podem ser compartilhadas ou não. Desde a nomeação para o Supremo Tribunal, para política de imigração,desde o Obamacare para a  NATO, desde a política externa para … as alterações climáticas . Os resultados foram, talvez questionáveis, mas seguindo fielmente a agenda mostrada na campanha eleitoral: uma heresia real na concepção moderna de política “uso (o voto) e jogo fora (ele) .”

America  Primeiro

Feito pelo menos tão ultrajante, estamos diante de um presidente que está buscando uma agenda em nome do povo americano. Certo ou errado, esta agenda tem como objetivo fazer alguma coisa para os americanos: criação de empregos, impulsionar a indústria, reequilibrar os desequilíbrios comerciais, proteger as fronteiras, trazer para a América as instalações de produção, combate ao terrorismo, reduzir o custo de ‘energia. Tópicos específicos com base nos problemas igualmente reais para o americano médio.

Desaparecem da agenda subitamente todas aqueles presidenciais temas impalpáveis e insignificantes para a maioria das pessoas, mas que tinham a vantagem inegável de ser mundiais, ou exportados em qualquer lugar no nome e acarinhado utópico “super governo do mundo” : climatismo, sociedade aberta, globalismo, ambientalismo, pobreza  feliz,  exportações da ‘democracia, revoluções coloridas, o sincretismo e toda a parafernália super-ideologizada com a qual mídia europeia e mundial continua a nos bombardear todos os dias durante anos sem misericórdia.

Um custo (in) sustentável?

No quadro revolucionário e escandaloso dos pontos anteriores  se encaixa o acordo de saída ligado à COP21, em Paris. Não uma insolação (literalmente), mas uma escolha política ligada a  considerações puramente econômicas e industriais . Aderir a determinados acordos tem de fato um custo enorme. De acordo com a Câmara Americana de Comércio as metas de redução das emissões estabelecidas pela Administração anterior, teria o seguinte custo:

No 2020:

  • Redução do PIB norte-americano de 270 bilhões de dólares
  • Perda de 3,4 milhões de empregos
  • Perda de US $ 480 no poder de  compra de uma família média.

No 2040 :

  • Redução do US PIB 3,100 bilhões
  • Perda de 33,5 milhões de empregos
  • Perda de US $ 7.000 em poder de compra de uma família média.

Estes números estão relacionados a um dos vários cenários  examinados no estudo e que como qualquer análise onde você empurra para a frente no tempo, têm um valor relativo. Mas  ainda torná-lo muito bem compreensível: descarbonizar tem um custo em termos de PIB, emprego e na riqueza do cidadão. Aceita-se  pagar um preço assim? Esta é a pergunta que todos devem perguntar a si mesmo, bem antes de entrar nas barricadas, megafone na mão, para profetizar o fim do mundo.

Prolongando medidas

O fato real é este: quão grave é a doença, mesmo que essa existe? Querendo simplificar, o aquecimento global é uma síndrome com estas três características principais:

  • Imperceptível Febre, ao ponto de que não pode ser determinada de uma maneira consistente com diferentes sistemas de medição, e em qualquer caso, na ordem do décimo de um grau em escala decenal.
  • Causa desconhecida , considerando que a componente antrópica em comparação com as forças naturais ainda é insignificante.
  • Prognoses indefinível , porque no momento temos mais evidências de que esta doença é mais benéfica para o organismo  que o contrario ( greening mundial , nenhuma tendência e nenhuma diminuição nos eventos extremos , explosão da produção agrícola …  como no Brasil este ano)

Em resumo, diante de uma doença que você não pode estudar, que ninguém sabe qual é  a causa e que parece ainda fazer bem ao corpo, o mainstream salva-mundo acredita que devemos fazer enormes sacrifícios, com o efeito colateral de danificar a industria e o sistema de produção das economias já desenvolvidas.

Dito de outra forma, é como se você fosse a um médico especialista e caríssimo e ele dissesse  isto :

Você tem a doença XYZ. Eu não sou capaz de entender em que estágio ele é, e certamente não sei se você vai realmente morrer. Mas sua temperatura basal é aumentada de 36,5 para 36,55 graus e, em seguida, irá prescrever uma terapia tão agressiva que provavelmente irá matá-lo. Mas não se preocupe: vamos garantir que o seu funeral seja eco-compatível “.

E  depois, no desespero, você vai para um médico genérico aparentemente improvável, desbocado e com o cabelo amarelo e vai ouvi-lo gritar: “Guarde o seu dinheiro! E  volte aqui quando você está doente de verdade! ”

Alemanha primeiro

Enquanto o presidente dos EUA, cumprimenta os presentes e deixa o clube sem pesar, a Europa está coçando a cabeça se perguntando o que fazer. É uma Europa em confusão clara, cambaleando como um boxeador jogado:  confusão testemunhada pela  boas-vindas  concedida a um ex-presidente que debate  de catástrofes climáticas e fome improváveis a causa  do aquecimento global, com quem Merkel mesmo sentiu a necessidade de se consultar antes do G7: um fato político, provavelmente sem precedentes. Longe são os dias em que a mesma Merkel  denunciava    ter sido interceptada em seu Blackberry por o Ex em questão. O fato é que a reação alemã para o COP exit foi invulgarmente acentuada no tom, literalmente, indignada, como verdadeira salva mundo.

No entanto, a Alemanha continua a gerar energia elétrica usando as fontes mais maciçamente impactantes em termos de emissões de CO2: carvão e lenhite. Fontes cujo peso na mistura para a geração de energia é ainda aumentada nos últimos 5 anos (Fig.2), apesar da parte  retórica que está empenhada em enfatizar o inegável porém, aumento significativo no renovável. O problema é bem conhecido, é que apenas o aumento da contribuição solar e eólica também aumenta a ineficiência energética de todo o sistema, se comparado com o poder instalado. Isso faz com que o hidrocarboneto essencial para garantir um fornecimento estável de energia  obriga o Estado a subsidiar os hidrocarbonetos, em um jogo turnê em que quem perde é apenas o cidadão, em termos da conta de energia.

Fig. De energia 2. Mix para geração de energia comercial na Alemanha

 

Adicione a isso a história surreal do  cancelamento do contrato  de gás South Stream já concedido para a Europa do sul e vindo da Russia. Pouco tempo depois, a rota do South Stream tem reaparecido na Alemanha , sob o nome de “A duplicação  do Norte stream” sempre gás da Russia apesar das criticas ferrenhas a Russia e a Putin sobre tudo e todo… mas a energia é a salvaguarda da economia e assim seja bem vinda o gás da Russia para as industrias Alemanhas e que se f…de a Europa do Sul. Obrigado Alemanha para tentar enterrar o sul Europa… Grecia, Italia, Espanha e Portugal!!!

Em resumo, a própria Alemanha que nasce como um campeão do Acordo de Paris, mas não renuncia ao uso de carvão, desvia gasoduto já em construção para beneficiar sua fabricação em detrimento da Europa do Sul, e, em seguida, faz a moral a  Trump  porque ele quer usar mais gás e mais carvão. Produtos em sua própria casa, por outro lado.

Para a Europa do Sul e outros danados do  ” Club Med” vale a narrativa que UE aplica  para a Rússia, inimiga, mau, que influencia as eleições, que nós espiona o telefone e  o nosso bate-papo e, portanto, não pode ser parceiro comercial, mesmo (ou especialmente) quando se trata de importar matéria-prima vital para uma economia desenvolvida, de baixo custo e baixo impacto ambiental, tais como o gás natural com exclusão das importações para a Alemanha….

Dois pesos e duas medidas , o climatismo reduzido a marreta de empunhar contra as ambições industriais residuais de potenciais concorrentes para manter-los sob controle, mesmo com  dureza quando as coisas ficam difíceis. Se Trump é America primeiro, aos europeus toca a Alemanha Primeiro. Parece que a guerra comercial e industrial que Trump quer para a salvaguarda das industrias americanas tem entre outros países  (China, Russia) a mesma Alemanha.

 

Conclusão

Quinta-feira 1 Junho, Trump fez um discurso que, aconteça o que acontecer, vai entrar para a história. Um discurso que foi definido pelo mais partidos como “patriótico “, com sentido positivo ou negativo de acordo com o banco de referência política.

Apenas alguns destaques do que Trump Falou:

  • Eu tenho que proteger os empregos dos americanos de um tratado escrito para redistribuir a nossa riqueza para outros países .
  • Não podem ser os líderes estrangeiros para decidir o crescimento e o emprego dos americanos.
  • Fui eleito para representar os cidadãos de Pittsburgh, e não os de Paris .

Após uma década de discussões sobre questões globais que elegantemente desdobrar-se em idiomas de todo o mundo (de acordo com a conveniência) e do qual pouco importava para o cidadão comum, ele voltou finalmente para falar sobre assuntos muito mais populares , mas que na última década, literalmente tinham desaparecidos: o trabalho, o emprego, a indústria, o crescimento econômico, a competitividade e soberania.

Quem fez isso então é um bárbaro  improvável, com o chapéu MAGA, maneiras de cowboy de salão linguagem  relativamente insensível. Assim como pouco importa que o bárbaro em causa é verdadeiramente bem sucedido ou termina embalado em uma pressa com a contribuição de seu próprio partido.

Foram esses bárbaros , com seus cabelos improvável e suas maneiras completamente  inadequadas, que quebraram o que restava de um Império Romano refinado que eles poderiam ver ainda encantador no espelho mas que  tinha realmente perdido, por algum tempo, todos os seus valores fundadores. A historia repete sempre os seus ciclos…. com as mudanças dos tempos mas a historia se repete sempre, e nenhum impero é eterno.

E se falava do sexo dos anjos  séculos mais tarde, quando Constantinopla  caiu sob o cerco dos turcos. E em Florença, no entanto no mesmo periodo,  já tinha a Renascença. Mundo louco naquele tempo, mas agora não é mesmo louco?

Anúncios

3 Comments

  1. Oriom Sabino
    Posted 5 junho 2017 at 11:40 PM | Permalink

    Bem isso, bem isso… (Ei, pegaram “carona” no refrão duma música do Caetano,Hein?!…”(…)Uns dizem sim.Uns dizem não!”…Mas,tudo bem.Tudo bem explicado.Parabéns e gracias. E fico perplexo e dubidativo quando tão poucos dizem não às chemtrails,notadamente na Europa… E o quê dizer de uma (in)Defesa Civil (SC) que não quer q meteorologistas tenham acesso aos dados fornecidos pelos novos Radares ativados em breve? Sinistríssimo né?!…😒

  2. Antonio Muniz Gomes
    Posted 8 junho 2017 at 6:45 PM | Permalink

    Bem Donald Trump tem seus problemas, sua polêmica e tudo mais que a gente sabe. Porém esta tentando fazer o que prometeu, defender seu povo e eleitores, de tudo que esta colocado de forma errada. Aquecimento Global, receber forçadamente imigrantes que podem estar misturados a terroristas, o muro do México O qual eu também não concordo , e etc , etc. Mas a vamos para frente e ver até onde os Globalistas querem ir.

  3. Guilherme
    Posted 12 junho 2017 at 12:22 AM | Permalink

    A mim, pouco interessa a política americana, isto é problema deles. O que me espanta é a quantidade de mentiras que a mídia nacional pública sobre o Sr. Trump. O que me leva a acreditar que o número de mentiras internas, é também, enorme.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: