Heliosfera: Com ou sem cauda ???

Um estudo apresentado na revista Nature Astronomia mina o modelo segundo o qual a ” heliosfera” , a bolha da influência do campo magnético do Sol, teria uma forma alongada, como a cauda de uma cometa. Os dados indicam uma forma simétrica, provavelmente devido a um campo magnético interestelar muito mais intenso do que o esperado.

Parece que o sistema solar está rodeado por um enorme campo magnético de uma forma esférica , devido à presença do sol. A sugerir são os dados recolhidos pela missão Cassini, pelas duas sondas Voyager e do satélite Interstellar Boundary Explorer (Ibex). Os resultados estão em contradição com a teoria mais acreditada no presente, de acordo com a qual a magnetosfera  solar tem uma forma oblonga, semelhante à cauda de uma cometa . O culpado seria o campo magnético interestelar, muito mais forte do que o esperado .

Graças a uma série de dados da sonda Cassini, Voyager e Ibex, descobrimos que a ” heliosfera”  poderia ser muito mais arredondada do que pensávamos. Esta ilustração mostra um modelo atualizado. Créditos: Dialynas, et al.

O sol emite um fluxo constante de partículas, chamado vento solar, que afeta todo o sistema solar, atingindo até a órbita de Netuno. Este vento cria uma bolha, dita heliosfera, com  um diâmetro de cerca de 40 bilhões de quilômetros. Há mais de 50 anos, o debate sobre a forma desta estrutura tem favorecido a hipótese de uma forma de bolha alongada, com uma cabeça arredondada e uma cauda. Os novos dados que cobram todo um ciclo de atividade solar (mais ou menos 11 anos) e mostram que a realidade pode ser muito diferente: a heliosfera parece ter ambas as extremidades arredondadas , assumindo uma forma quase esférica. Os resultados foram publicados na revista Nature Astronomia .

Muitas estrelas moldam estruturas tipo cauda de cometa, daí a ideia de que o nosso sistema solar pode ser feito também assim. Do canto superior esquerdo e indo no sentido horário, as estrelas: LLOrionis, BZ Cam e Mira. Créditos: NASA / HST / R.Casalegno / Galex

“Em vez de uma cauda alongada descobrimos que a heliosfera tem a aparência de uma bolha, e isso por causa de um muito mais intenso campo magnético interestelar do que esperávamos”, diz Kostas Dialynas da Academia de Atenas, o primeiro autor do estudo.

Além de explorar Saturno e seu sistema de anéis e satélites, a sonda Cassini também estudou o comportamento do vento solar, em particular investigando o que acontece em suas extremidades. Quando as partículas carregadas vindas do Sol atendem os átomos de gás neutro do meio interestelar, ao longo da área de fronteira ampla chamada heliopausa , podem ocorrer trocas de caricas, e alguns átomos podem ser empurrados para o sistema solar e ser medida pela sonda Cassini.

“A sonda Cassini foi projetada para estudar os íons aprisionados na magnetosfera de Saturno”, diz Tom Krimigis da Johns Hopkins University, líder da equipe para os instrumentos a bordo da Cassini e da nave espacial Voyager, e co-autor do estudo. “Nós nunca pensamos em ser capaz de ver e também estudar as fronteiras da heliosfera.”

Porque as partículas que compõem o vento solar viajam a velocidades iguais a frações da velocidade da luz, suas distâncias do sol para a heliopausa requerem anos. Ao variar o número de partículas, ou pela modulação devido a atividade solar leva anos para que isso seja reflectido na quantidade de átomos medido por Cassini. Dados recentes mostraram algo inesperado: as partícula provenientes da “cauda” da hgeliosfera refletem as mudancas do ciclo solar de uma maneira semelhante a quem vem de sua ‘cabeça’.

Os dados coletados a partir das missões da NASA Cassini, Voyager e Ibex mostram que  a heliosfera é muito mais compacta e simétrica do que pensávamos. A imagem da esquerda mostra o modelo suportado pelos dados, enquanto a direita mostra o modelo de cauda estendida, que tinha sido achada como o mais eficaz até agora. Créditos: Dialynas, et al. (Esquerda); NASA (à direita)

“Se a cauda da heliosfera é alongada como o de uma cometa, os efeitos devido ao ciclo solar devem aparecer muito mais tarde”, diz Krimigis. Dado que isso não aconteçe, mas sim o momento são bastante semelhantes, isso significa que, na direção da cauda, a heliopausa está localizada mais ou menos à mesma distância do que acontece na cabeça. Portanto a heliosfera deve ter uma forma muito mais simétrica do que o esperado .

Os dados recolhidos pelas sondas Voyager também têm demonstrado que o campo magnético interestelar é mais intenso do que as estimativas previstas pelos modelos. Isto significa que a forma arredondada da heliosfera pode ser devido à interação do vento solar com este campo magnético, o que iria empurrar a heliopausa para o sol. A estrutura da heliosfera desempenha um papel importante na maneira pela qual as partículas vindo do espaço interestelares, chamados raios cósmicos , atingem o interior do sistema solar, chegando até à Terra.

Ainda estamos descobrindo novas cosas e a ciência evolui passo a passo e nunca podemos dizer, assim como falam os aquece mentista, que a ciência é resolvida…. TEMOS QUE USAR SEMPRE O MÉTODO GALILEANO….

https://sandcarioca.wordpress.com/2015/08/18/diferencas-entre-a-ciencia-real-e-a-ciencia-do-aquecimento-global/

https://sandcarioca.wordpress.com/2016/04/22/o-metodo-cientifico-esse-desconhecido/

Fonte web: https://www.nature.com/articles/s41550-017-0115

SAND-RIO

 

Anúncios

One Comment

  1. Antonio Muniz Gomes
    Posted 27 maio 2017 at 2:14 PM | Permalink

    Legal quanto mais procuramos conhecimento, mais ainda vemos que nem arranhamos a superfície do saber.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: