Quando se trata do IPCC, se fala de manipulação de dados – parte dois

Há alguns dias, esdtamos ampliando a imagem de como a narrativa do aquecimento antrópico global (AGW) tem sido capaz de se espalhar.

Se você se lembra, dizia-se que para ajudar a fazer algo aceitável, e preciso receber o reconhecimento por autoridades externas que gozam de prestígio entre o público. Quem melhor do que a Comissão que concede o Prêmio Nobel? A operação não seria bem sucedida se você não se preocupa para desacreditar ou melhor ainda, para silenciar as vozes dissidentes .

Nesta segunda parte (o primeiro pode encontrá-lo https://sandcarioca.wordpress.com/wp-admin/post.php?post=6159&action=edit), vamos concluir nossa breve estocada, considerando o papel que as sociedades científicas tiveram nos últimos anos, a partir do artigo que também nos acompanhou na primeira parte.

Se você lé no website da Sociedade Científica britânica, você pode ler que a sua intenção é  de combater as principais ameaças para o mundo, que são as mudanças climáticas, diversidade biológica e doenças infecciosas. No artigo lê-se que:

O prestígio da Royal Society foi suficiente para convencer a maioria das sociedades científicas para comprovar as declarações do IPCC. Uma empresa russa (Russian Academy of Sciences), sob a recomendação de Yuri Izrael, diretor do Instituto de Ecologia e Mudanças Climáticas, recusou-se a participar. Ele também foi o Vice-Presidente do IPCC e disse, depois de visitar o resfriamento da Antártica que:

“A mudança climática é óbvia, mas a ciência ainda não foi capaz de identificar as causas” e acrescentou: “Há uma ligação documentada entre as atividades humanas eo aquecimento global”

Que, então, em uma inspeção mais profunda, este é precisamente o ponto: que há uma mudança climática em curso é clara e visível a todos. Mesmo os artigos que você encontra aqui no site o diz. Mas a causa não é aquele que nos querem fazer crer – atividade humana: dados científicos na mão, a evidência diz que os fatores envolvidos são muitos. Eles dizem respeito à atividade solar, em primeiro lugar , as consequências das flutuações, a composição da atmosfera, todas as dinâmicas físicas e químicas, a natureza cíclica dos fenômenos naturais e muito mais. Entre estes, a atividade humana não tem lugar, o que não significa que o homem não está poluindo, mas entre poluição do ar, águas, oceanos, terras e mudanças climáticas não tem alguma, o quase, correlação .

Voltando à história, na maioria dos casos, a empresa aceitou e promoveu o apoio ao IPCC, sem consultar os outros membros. Quando o Professor emérito de física, Hal Lewis descobriu que o executivo da American Physical Society ( Sociedade Americana de Física , APS, ed ) tinha dado apoio, ele renunciou em um clamor público. Em outubro de 2010, ele escreveu em sua carta de demissão que:

O embuste do aquecimento global, com (literalmente) trilhões de dólares que a orientam, que corrompeu tantos cientistas e envolvendo a APS, é a maior fraude  pseudocientífica mais bem sucedida que eu já vi na minha vida como físico.

A questão que se coloca é porqué outros cientistas pertencentes a várias empresas não tem notado?. O que é certo é que estamos vivendo em uma época em que os políticos usam a política para seu próprio uso: como vimos, o mesmo Al Gore usou sua influência como Vice-Presidente a seu favor.

Concluo, onde conclui o artigo a partir do qual tomei esta notícia:

Lembre-se, mesmo Barak Obama recebeu o Prêmio Nobel da Paz e que tem confundido os mais ardentes defensores. A presença de Al Gore, sua influência e sua auto-celebração estão em toda parte neste engano climático. Como sempre, as pessoas sabem dessas maquinações, mas ainda tem dificuldade em acreditar.

Anúncios

One Comment

  1. Leandro Leite
    Posted 9 maio 2017 at 3:33 PM | Permalink

    Matéria da Veja de julho de 1994 sobre a onda de frio daquele ano no Centro-Sul do Brasil, há um trecho que fala da divergência aquecimento/resfriamento global, enquanto alguns já falavam nos gazes do efeito estufa, tese que viraria paranoia nos mais de 10 anos seguintes, já havia cientistas prevendo a queda da atividade solar, interessante é que pra 2017 estão prevendo um El Niño modoki como em 1994, aquele ano teve um maio quente no Brasil e é o que está acontecendo agora, será que junho teremos muito frio, quem sabe seguindo o padrão dos EUA que teve um novembro quente seguido de um dezembro frio: http://i29.photobucket.com/albums/c270/rsol2000/inverno1994_zps2julmyti.jpg~original


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: