Geoengenharia não seria solução para mudanças climáticas

Com informações da Universidade de Ledds

Geoengenharia não seria solução para mudanças climáticas

A conclusão do painel de especialistas é que ninguém quer a geoengenharia. [Imagem: University of Leeds]

O diabo está nos detalhes

A intervenção deliberada e em grande escala no sistema climático da Terra – a chamada geoengenharia – não é a “solução rápida” para o aquecimento global que muitos cientistas têm defendido.

A conclusão é de um painel de especialistas do Reino Unido que avaliou as propostas de geoengenharia mais difundidas.

Os resultados de três projetos – IAGP (Avaliação integrada das Propostas de Geoengenharia), liderado pela Universidade de Leeds; SPICE, liderado pela Universidade de Bristol e CGG, liderado pela Universidade de Oxford – foram anunciados em um evento realizado na The Royal Society, em Londres.

“Nossa pesquisa mostra que o diabo está nos detalhes. A geoengenharia será muito mais cara e desafiadora do que as estimativas anteriores sugerem, e quaisquer benefícios seriam limitados,” resumiu o professor Piers Forster, da Universidade de Leeds.

“Por exemplo, quando simulamos a pulverização de partículas de sal do mar nas nuvens para tentar aumentar seu brilho, verificamos que apenas algumas nuvens foram sensíveis e que as partículas tendem a coagular e cair antes de chegar à base da nuvem.

“Questões envolvendo o monitoramento e a previsão dos efeitos de nossas ações levaram a uma enorme indecisão, destacando como seria difícil até mesmo testar e implementar essas técnicas no mundo real,” acrescentou o pesquisador.

Ninguém quer a geoengenharia

Em vez de se limitar às simulações, os pesquisadores do projeto SPICE (Injeção Estratosférica de Partículas para Engenharia Climática) usaram vulcões como modelos para imitar o efeito de uma proposta de geoengenharia solar na qual aerossóis sulfatos seriam bombeados para a atmosfera para refletir mais luz solar de volta ao espaço. Este é um processo que ocorre naturalmente devido a partículas emitidas pelas erupções vulcânicas.

Durante a avaliação das propostas, o painel de especialistas também realizou discussões em grupos públicos e encontros de especialistas, incluindo os proponentes das geoengenharias. Em ambas, as estratégias de mitigação das mudanças climáticas, tais como melhores medidas em busca da eficiência energética e ampliação das tecnologias renováveis, foram preferidas às propostas de geoengenharia.

“Consultar o público, os formuladores de políticas e a indústria desde o início nos disse que só devemos considerar a geoengenharia no contexto mais amplo da mitigação e da adaptação às mudanças climáticas. A geoengenharia não é uma alternativa do tipo ‘solução rápida’, disse o professor Forster.

“Embora seja claro que as temperaturas poderiam ser reduzidas durante a implementação, o potencial de passos em falsos é considerável. Ao identificar os riscos, esperamos contribuir para a base de evidências em torno da geoengenharia que vai determinar se a implantação, em face da ameaça das mudanças climáticas, teria o potencial de fazer mais bem do que mal,” concluiu o Dr. Matthew Watson, membro do painel.

Risco certo

Embora haja muitos defensores da geoengenharia dentro da comunidade científica – na verdade ela nasceu na forma de várias propostas de cientistas – todos os estudos abalizados publicados até agora reconhecem que a ciência não sabe o suficiente para garantir chances mínimas de sucesso da manipulação do clima da Terra de forma intencional:

One Comment

  1. Marcio Pinto
    Posted 30 novembro 2016 at 8:06 PM | Permalink

    Acho que daqui a algum tempo eles terão que pensar em geoengenharia para aumentar a temperatura da terra. Mas que não venham com esse negócio de subir concentração de CO2 que isso não dá certo mesmo.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: