Os cientistas russos afirmam que estamos entrando em um ciclo de resfriamento global

Mais uma vez os cientistas que ainda realmente estudam o clima da Terra voltam para avisar-nos de que estamos à beira de um resfriamento global que vai durar cerca de 60 anos, a notícia vem de Reuters e eu vou colocar parte do artigo, no final Vou colocar o site, para que você leia integralmente o artigo, que ao contrário dos “aquecementistaa” aqui os cientistas têm nomes.  O “Rosgidromet”, o serviço meteorológico russo prevê que o país terá de enfrentar este ano um inverno particularmente rigoroso, pela segunda vez, com uma média de entre 5 e 10 graus Celsius menor do que em 2012-2013. Isto poderia significar que o planeta entra em um ciclo de arrefecimento que vai durar cerca de 60 anos, diz Vladimir Melnikov, presidente da comunidade científica da cidade de Tyumen, Siberian Branch da Academia de Ciências da Rússia,  informa  a TASS.


De acordo com Melnikov, em toda a história do planeta, os  ciclos do aquecimento e arrefecimento “se sobrepõem causando flutuações climáticas.”

“Então aqui está a notícia de que resultou na Reuters, mas eu tenho todo o artigo original em russo que com a Google Tradutor tem sido traduzido e depois, claro, no final, a Fonte Reuter (castelhano) e da Fonte em russo.

“Yekaterinburg, 21 out.  / TASS /.  Previsão RosGydroMet para o próximo inverno: será mais frio do passado da Rússia, sinalizando o início de um ciclo climático frio de 60 anos, disse  ao  chairman da Tass o Presidente da comunidade científica Vladimir Melnikov SB RAS Tyumen acadêmica.

Segundo ele, o inverno “já iniciou” na península Yamal, que apareceu em meados de Outubro de neve e frio durante a noite com 18 graus abaixo de zero.  “Um forte vento frio atingiu Yamal e Tyumen, onde teremos muito mais frio nos próximos dias, ele virá depois para os Urais, que também terá uma temperaturas de inverno de congelação, “. – Disse Melnikov.

Previsão RosGydroMet

Os meteorologistas russos preveem um segundo ano consecutivo muito frio com a chegada do inverno. . “Esperamos que nosso inverno será mais frio do normal. Isto significa que para o território europeu, vai ser mais frio do que o anterior“, – disse ele a repórteres em 20 Outubro, chefe do Serviço Federal de Hidrometeorologia e Monitoramento Ambiental (ROSHYDROMET ) Alexander Frolov.

No ano passado, o RosGydroMet também deu uma previsão de que o inverno terá uma média de 5-10 graus  mais frio do que em 2012-2013. Rio Ural está congelado antes do tempo, pela primeira vez em 20 anos.  Pela primeira vez em 40 anos congelaram os principais carrilhões de Magnitogorsk, Khanty-Mansiysk e as aulas canceladas nas escolas para alunos de 1 a 11 anos. “
No mentre na Argentina….

Argentina através da mais frio outubro desde que os registros começaram

AS BAIXAS TEMPERATURAS DURANTE 20 DIAS EM QUASE TODA A ARGENTINA, O QUE LEVOU GEADA TARDIA E NEVE EM VÁRIAS REGIÕES DO PAÍS, DETERMINANDO O MAIS FRIO OUTUBRO DESDE A PRIMAVERA DE 1963, COM VARIAÇÕES DE 2,5 GRAUS ABAIXO DA MÉDIA REGIONAL , INFORMOU O SERVIÇO METEOROLÓGICO NACIONAL (SMN).
“As condições extremamente frias em grande parte da Argentina eram porque nós tivemos muitos picos frios quando passaram massas de origem polar na Patagonia e nos atingiu pelo menos cinco vezes” disse o meteorologista José Ignacio Lopez Amorín.

Estes temperatura para outubro só podem ser comparados ao que aconteceu na primavera de 1963, o relatório SMN.
O especialista, comunicador do Serviço Meteorológico Nacional, disse que “a cada 15 ou 20 dias, circulações temporários, regionais ocorrem (na atmosfera), que estão contribuindo para fazer frio.
“” Havia dias de frio mais freqüentes e mais frio em setembro e outubro do que em junho, julho e agosto, que é devido ao uma mudança no fluxo de ar parcialmente explicado pelo fenômeno do El Niño e em parte pelas condições locais e zonais “, disse ele.
Então, em Pigüé  no sudoeste da província de Buenos Aires estabeleceu um recorde em seu menor temperaturas históricas; em Mendoza, enquanto algumas áreas, particularmente Malargüe, foram marcados com declínios na média das  temperaturas mais baixas.
“Outubro é porque tem já afluência recorde (média baixa) muito grande para ser revertida na última semana” levantou Amorín , que se referiu o exemplo que se a temperatura em Mendoza foi de 15 graus em outubro do ano passado, durante a atual é de 9.
Enquanto a maior parte do país apresentou até agora temperaturas mais baixas em relação ao normal, a região de Cuyo é o mais afectado, com valores de até cerca de sete graus abaixo do normal para o mês.A nível nacional, outubro 2015 apresenta anomalias (desvios da média) de menos de 2,5 graus, que categoriza este mês de outubro um dos mais frios na história térmica nacional desde 1963, quando começou a registrar a temperatura média em todo o país.
* FONTE AQUI.

8 Comments

  1. Posted 27 outubro 2015 at 9:14 PM | Permalink

    Sempre leio o site, porém falar que foi o outubro mais frio na Argentina e não mencionar um dos invernos mais quentes já registrados em várias partes deste país e no Brasil, é seguir o mesmo caminho do outro “lado”. Florianópolis teve o trimestre, junho,julho e agosto, mais quente, junto com 1914 (série 1911/2015), assim como SC não teve registro de neve em nenhum ponto neste inverno (1986 foi a última vez que ocorreu), também a cidade de S.Joaquim não vê neve, área urbana, a dois invernos seguidos, entre 55/2015 é a primeira vez que ocorre. Concordo com a maior parte que está no site, mas é bom escrever os dois lados sempre e não apenas o que interessa. estamos esfriando, sim, nem tudo está frio direto.

  2. marcio pinto
    Posted 27 outubro 2015 at 10:55 PM | Permalink

    Fico imaginando na situação dos refugiados sírios que estão nesse momento indo aos milhares para asia e europa.
    Quando o inverno chegar com força, todas essas pessoas em alojamentos precários, vai ser terrível.

    • Patrocinio Ferreira
      Posted 28 outubro 2015 at 4:57 PM | Permalink

      Ronaldo, veja que em 2013 nevou em Floripa!

      “Neve na Serra do Tabuleiro chama atenção de moradores da Ilha de SC
      23/07/2013- 11h47min”: http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/noticia/2013/07/neve-na-serra-do-tabuleiro-chama-atencao-de-moradores-da-ilha-de-sc-4209321.html

      “Neve na Serra do Tabuleiro chama atenção de moradores da Ilha de SC Alvarélio Kurossu/Agencia RBS
      Serra do Tabuleiro ficou coberta de neve na manhã desta terça-feira
      Foto: Alvarélio Kurossu / Agencia RBS”

      A dinâmica atmosférica vai alternando os eventos (frio e calor), naturalmente.
      Agora estamos no final de um período interglacial (de 12 a 15 mil anos). Possivelmente estamos, muito lentamente, entrando em uma nova era glacial.

      Patrocinio Ferreirap

      • Leandro Leite
        Posted 28 outubro 2015 at 6:45 PM | Permalink

        2012 foi um ano muito quente nos EUA, com um calor jamais registrado em um fim de um inverno mias quente que o normal, e um verão com ondas de calor muito intensas, depois em 2014 teve nas mesmas regiões um inverno muito rigoroso, o Brasil pode está passando por uma espécie de rebote, com dois outubros muito quentes intercalados por um inverno que não aconteceu, é possível que uma La Niña se configure no próximo ano e talvez em 2017 tenhamos um inverno frio, até por uma questão de analogia com casos passados de anos subsequentes ao fim de um forte El Niño.

  3. Leandro Leite
    Posted 28 outubro 2015 at 6:35 PM | Permalink

    É um contraditório, olhando o site do wunderground vi que boa parte dos EUA estão com temperaturas acima da média nesse mês de outubro, chegando a + 3 C no Kansas, até Chicago está com anomalia positiva de temperatura, enquanto a Argentina está com temperatura abaixo da média, com destaque para Mendoza com anomalia muito negativa, então o tal resfriamento não abrange todo o hemisfério norte e tem abrangido também parte do hemisfério sul, o caso da Argentina pode explicar o frio fora de época em Cuiabá com 17 C, mas que foi seguido de uma forte onda de calor, agora por enquanto ainda não há previsão de nenhum frio muito poderoso para os EUA.

  4. marcio pinto
    Posted 29 outubro 2015 at 1:11 AM | Permalink

    Li uma vez que ocorrências de muitos eventos climáticos extremos: muito frio, muito quente, muito úmido e muito seco, são “sintomas” de um planeta em faze de transição. As pequenas eras do gelo que ocorreram no passado foram precedidas por esses eventos. Quanto a associar o frio da argentina ao el nino é meio estranho. Modelos climático faz essa correlação com calor, chuva, não frio.

  5. Antônio Gomes
    Posted 2 novembro 2015 at 1:39 PM | Permalink

    É em uma transição climática vamos ver ainda muitos extremos, de calro , frio , chuvas e secas desastrosas.

  6. dias
    Posted 18 outubro 2016 at 2:35 PM | Permalink

    Primavera de 2015 chuva intensa no sul do brasil aumento de 100 % feijão e aumento considerável em toda cesta básica…nunca vi o chuchu a 5 reais o kilo. Qualquer mudança mínima a mais do que já esta acontecendo sofreremos um grande desabastecimento de alimentos e com isso o fim desta era economica.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: