O SOL INDO PARA UM GRANDE MINIMO NO CICLO 25

A cada temporada que passa, o tempo parece estranho e mais extremo. Quem pode discutir com um surto repentino do fenômeno “vórtice polar”; seca de inverno sem precedentes na Califórnia; e temperaturas de verão tão tórrido  no Aberto da Austrália? É nada disso é  ligado à diminuição drástica nos ciclos das manchas solares recentes no sol? O tempo não é o clima, mas evidências circunstanciais indicam que nosso sol pode estar entrando em um grande mínimo de atividade, parecido do Mínimo de Maunder que alguns climatologistas acham que causou recordes de temperaturas baixas do inverno no norte da Europa durante a última metade do século 17. Parecido ao minimo de Maunder porquê nenhum ciclo solar é igual a um outro e nenhum minimo profundo ou máximo é igual a um outro e porquê esse minimo de Eddy (o atual) não será igual e nenhum outro minimo precedentes. Os físicos solares geralmente têm desistido da previsão na amplitude do Ciclo Solar 25 ao contrario dos ciclos precedentes, pode ser porquê depois de ter TODOS errado a previsão do ciclo 24,(menos alguns físicos solares autônomos) porquê  todos, como um bando de ovelhas, seguirem a previsão erradíssima do Sig Hathaway da NASA . A única previsão do ciclo solar 25  existente até hoje, é a previsão de Livingstone e Penn de uma amplitude do cilo solar 25 de sete. Outro físico solar, Mark Giampapa do Observatório Nacional Solar em Tuscon, Arizona, é da opinião de que “estamos a caminhar em um mínimo de Maunder “, que poderia durar até 2080. Naturalmente para os físicos solares americanos a previsão dos físicos solares russos que anos atras indicarem o ciclos 24 e 25 como o inicio de um profundo minimo, não importa…. eles como ovelhas estão esperando a palavra sagrada da NASA. “Minha opinião é que estamos caminhando para um mínimo de Maunder”disse Mark Giampapa, físico solar no Observatório Nacional Solar (NSO) em Tucson, Arizona. “Eu estou vendo uma continuação do declínio da intensidade de campo magnético médios das manchas solares e um enfraquecimento dos campos magnéticos polares e os fluxos de subsuperfície.” Detalhes teóricos de como as manchas solares são realmente produzidas continuam a ser debatido. Mas uma idéia popular é que eles são gerados como resultado de campos magnéticos solares concentrados e torcidos bloqueando a convecção interna no terço externo do interior do sol. Este, por sua vez, dá as manchas solares sua aparência escura, uma vez que, em média, são 2.000 graus mais frios do que o plasma solar circundante.

Primeiro manchas solares oficial pertencente ao Então ...

Primeira manchas solares oficial pertencente ao Ciclo Solar 24. (Crédito da foto: Wikipedia)

Estes campos magnéticos solares são pensados ​​para ser desencadeados por próprio interno do sol a causa da “rotação diferencial.” Ou seja, o fato de que em várias latitudes e profundidades o plasma gasoso do Sol gira em taxas diferentes. Então uma vez que esses campos são produzidos, alguns teóricos acham que é a sua interação na fotosfera do Sol (ou de superfície) que desempenha um papel crucial na criação de manchas solares. Mesmo assim, David Hathaway, físico solar da NASA Marshall Space Flight Center, em Huntsville, diz que é a força real de tais campos magnéticos no final de um máximo dado ciclo de manchas solares de 11 anos que é pensado para atuar como um termômetro para o tamanho e a força da seguinte máximo solar. “No final de um ciclo de manchas solares sobre tudo o que resta são campos magnéticos nos pólos solares”, disse Hathaway. “Estamos no máximo de manchas solares do ciclo 24. É o menor ciclo de manchas solares em 100 anos e o terceiro em uma tendência de diminuição dos ciclos de manchas solares. Então, o ciclo 25 poderia provavelmente ser menor do que Ciclo 24. ” Outro indicador que aponta para um grande mínimo iminente é que o atual ciclo solar mostra alguns sinais de assimetria hemisférica, diz Steve Tobias, um matemático aplicado na universidade de Leeds, no Reino Unido “Quando o campo estão prestes a entrar num mínimo ou estão deixando um mínimo”, disse Tobias, “vemos mais manchas solares em um hemisfério solar do que o outro.” No entanto, durante o 1645 – 1715  no Maunder Minimum as manchas solares, basicamente, desaparecerem  e como documentado em pinturas da época, a Europa do Norte sofreu temperaturas do inverno excepcionalmente frias. Tais mínimos são pensados ​​para ser uma parte da vida normal de uma estrela como o sol, no entanto. E a partir de pesquisas recentes de vários análogos solares no conjunto estelar aberto M67, Giampapa e colegas ver indicações de que tais grandes minimos ter lugar até 15 por cento do tempo. Hathaway diz que os efeitos observados do ciclo das manchas solares em radioisótopos; em núcleos de gelo; e em anéis de árvore  indicam que cerca de 10 a 15 por cento do tempo o sol está em “algo como um mínimo de Maunder”. Esta pintura Bruegel “Se nós estamos entrando em um Mínimo de Maunder, poderia persistir até 2080”, disse Giampapa, que aponta que, se tal efeito primário do mínimo é de refrigeração, poderia causar estragos ao reduzir estações de crescimento agrícolas que, por exemplo, poderia levar para diminuir a produção de trigo. Mas Giampapa diz que também poderia significar uma excursão mundial a partir da média, resultando em extremos climáticos locais tanto em termos de temperaturas anómalas e precipitação. Poderia um Maunder Minimum mitigar um clima de aquecimento? Não é provável, diz Hathaway. Apesar de o aumento das temperaturas globais visto  “na última década ou assim parece ser atualmente estabilizada”, diz Hathaway, ele observa que até mesmo um mínimo de Maunder ainda não seria suficiente para contrariar os efeitos de aquecimento de mudanças climáticas antropogênicas. Se qualquer coisa, um mínimo de Maunder pode simplesmente fazer o tempo existente e a curto prazo no clima mundial ainda mais incomum e difícil de prever.

Naturalmente esta é a opinião do Sig.lembe lembe  Hathaway que precisa ser a favor do aquecimento global humano  para assim receber a grana do governo americano.

http://www.forbes.com/sites/brucedorminey/2014/01/20/sun-flatlining-into-grand-minimum-says-solar-physicist/

4 Comments

  1. Antonio Gomes
    Posted 10 maio 2015 at 8:58 PM | Permalink

    Esse Sr. Hathaway, não apesar de ser referência no tal de aquecimento global humano deveria se envergonhar de manter essa farsa. O clima realmente está nos extremos mas não é culpa do homem.

  2. danilo
    Posted 13 maio 2015 at 3:32 PM | Permalink

    agora fica facil. kkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. danilo
    Posted 13 maio 2015 at 3:34 PM | Permalink

    aq vcs acham tudo. vcheire na direita que esfria, cheire na esquerda que esquenta, cheire dos 2 faz chover arma biologica ou climatica. http://www.dsmota1.blogspot.com.br/

  4. danilo
    Posted 20 maio 2015 at 11:42 AM | Permalink

    esta preparado pro de 26, kkkkkkkkkkkkkkkkk


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: