Resfriamento em andamento: a situação no hemisfério norte

O artigo abaixo é uma pequena tentativa de analise da situação climática da Europa e parte do hemisfério norte… para o hemisfério sul ainda é cedo para ter as mesmas condições climáticas, lembro que o hemisfério sul está com 8-10 anos de atraso daquele que acontece no norte. Isso porquê a maior massa de água dos oceanos no sul tem a função de uma ‘esponja climática’.

O Verão de 2014 foi frio … porque o oceano Atlântico esfriou além da medida por causa da queda de neve pesada que nesse período estavam ocorrendo no Nordeste dos Estados Unidos e no Canadá.

O verão 2015 ainda é e será frio. Talvez ainda mais frio do que no ano passado. Motivo ?
Sempre o frio na América do Norte  e Canadá.

Mas vamos passo a passo:

EUA-48 Rivers-1

Como você pode ver na mapa acima, apenas três dos grandes rios americanos correm para o Oceano Pacífico. Todos os outros canais da água correm para o Oceano Atlântico.

Grlakes_lawrence_map

No Canadá, na parte oriental deste vasto Estado, é o Rio São Lourenço que vá para  o Oceano Atlântico transportando enormes quantidades de água doce e  fria, resultante do desgelo de neves do inverno e dos grandes lagos atualmente completamente gelados.

Toda essa enorme oferta de água doce e  fria, no entanto não é legal para o caminho da corrente do Golfo e bloqueia o inicio da corrente do Atlântico Norte.

currents_north_atlantic

A principal consequência do arrefecimento do norte do Mar dos Sargaços, onde fica a foz do Rio São Lourenço e onde inicia  a corrente atlântica do Norte, é um fracasso para o fornecimento de  água quente em áreas do norte da Europa. É claro que essa não-contribuição não determina o fim imediato das correntes oceânicas … mas um enfraquecimento em termos de quantidade térmica progressiva e constante de calor transportado e uma desaceleração, em termos de velocidade de movimento da água, tanto superficial que em várias profundidades.
O resultado é um resfriamento gradual do clima na Europa durante a pós-desgelo da America do norte … ou seja na primavera e no verão europeu … quando os oceanos devem acumular  calor graças à insolação superior cuja contribuição máxima ocorre no mês de junho.

No grande quadro abaixo, encontramos a situação da SST (Temperatura da Superfície do Mar) fotografada o dia  06 de fevereiro de 2015 (parte superior) e 12 de fevereiro de 2015 (em baixo).

SST_06-12_022015_V

Na parte inferior da imagem, a mais recente, tem marcados com círculos pretos as áreas onde vemos o maior refrigeração.
Dos 14 pontos marcados, os que mais são de “preocupação” são essencialmente quatro:

Mar Negro …: frio claro do mar, devido à contribuição de água doce e fria devido à neve acumulada na Europa Oriental, permite que as correntes atmosféricas provenientes da Sibéria cheguem ao Mediterrâneo sem qualquer mitigação. Não que o tamanho do mar negro é muita coisa … mas quem sabe  que  uma bolha de ar quente naquele  ponto teria impedido as quedas de neve enormes gravadas na Turquia nos últimos meses.

Mar do Norte …: resfriamento da parte  meridional do Mar do Norte, ao largo da costa da Holanda, envolve uma maior facilidade para a corrente do Atlântico Norte, para chegar às costas do continente europeu com menos mitigação. Isso já ocorreu no verão de 2014, e será repetida ainda mais este ano.

Mar Mediterrâneo …: Aqui há dois pontos importantes: a Grécia … o que corresponde ao ponto mais profundo do Mediterrâneo … uma planície abissal  em cerca de 5000 metros de profundidade. A outra, fora de Espanha, corresponde ao ponto onde o fluxo de água quente, resultante da corrente dos canários,  ramo de retorno da circulação do Atlântico, se expande e se mistura com a água do Mediterrâneo. Um arrefecimento na área indica um fluxo menor de entrada de água quente ou em qualquer caso um menor afluxo da mesma. Com essa menor contribuição, o Mediterrâneo tem  o destino de um arrefecimento que, se não compensado pelo aquecimento suficiente nos meses de verão, vai esfriar ainda mais o verão, outono e inverno, em seguida, a seguir!

Islândia …: Este é o ponto mais importante, na minha opinião … Por anos, eu monitorei a situação nesta área e eu acho que é a primeira vez em décadas   que se pode ver  algo parecido com isto: a formação de uma ponte de gelo entre a Groenlândia e Islândia .

150212_1200

Nos próximos dias vamos saber se isso vai ocorrer. Nos últimos anos, em um par de ocasiões, já havia formado gelo nessa área … mas a ponte não tinha formado bem … ainda havia áreas de mar sem gelo. Vamos ver o que vai acontecer este ano.

As repercussões de uma possível ponte de gelo entre a Groenlândia e Islândia,  seria próprio  no Mar do Norte. Olhando para a imagem abaixo vai entender o porquê!

captainamericafrozen_currents

A corrente fria que é gerada no leste da Groelândia, corre ao longo de toda a costa da ilha em si, passando o estreito que separa a grande Groenlândia da pequena ilha da Islândia. Aqui se encontra também um fluxo de água quente do Atlântico Norte. Se isso estreto vai fechar por o ponte de gelo, poderia causar um desvio para o Sudeste do atual corrente Leste-Gronelandês o que reforçaria aquela que desce  no mar da Noruega … causando um resfriamento daquela vasta área e um bloco cada vez mais concreto da Corrente Atlântico Norte …. Que, como vemos, está bem acima do Cabo Norte … É claro que a água fria de origem Ártica, é na profundeza … enquanto aquela quente, proveniente das regiões do sul do Oceano Atlântico,  flui para a superfície. Mas o que acontece em profundidade tem um impacto sobre o que está acontecendo na superfície. Nem sempre, no entanto, o oposto é verdadeiro. Especialmente quando os oceanos são em resfriamento lento, gradual e constante.

Ainda é cedo, teoricamente, para falar sobre Nova Ice Age. Ao contrário acho que se pode falar de resfriamento do Clima.

O que estamos vendo por 2 anos agora, é um enorme aumento na queda de neve na América do Norte, como na Sibéria Rússia (como a querer arrefecer os ânimos das duas superpotências militares). Mas, nos últimos dois meses vimos também que, na Noruega estão aumentando esses fenômenos. Por isso todo mundo está seguindo o plano de resfriamento ditada pela natureza e coordenado pela atividade solar.

O que pode acontecer no futuro?
Como tenho frequentemente salientado, o clima europeu é fortemente dependente da temperatura do Oceano Atlântico. Mais esfria o oceano, mais o clima é frio com condições climáticas   instáveis  e caracterizadas pela chuva e neve.
Não tem na Europa as regiões frias típicas da América do Norte, porque eles tem  clima continental (… e falamos sobre a costa leste, enquanto … Europa é a costa oeste). Mas algo muito semelhante vai nos próximos anos.

Claro … nada a ver com o que aconteceu durante o Último Máximo Glacial (UMG), ou 18.000 anos atrás … quando a situação na América do Norte foi mais ou menos a seguinte:

laurentide-ice-sheet

 

Considere-se que a espessura do gelo, a área indicada por escrito Laurentide Ice Sheet, foi de mais de 1500 metros. E tudo aquele gelo tinha causado uma queda no nível do mar de cerca de 150-200 metros acima do nível atual. Será que vai acontecer de novo? Talvez … talvez não. Nós não podemos dizer com precisão. Mas tudo começou com uma série de invernos muito frios … com acumulações cada vez mais abundantes e por períodos mais e mais longos  … Com invernos que começavam  com 1 ou 2 meses de antecedência (exatamente como aconteceu este ano nos EUA … com a queda de neve histórica em meados de novembro) e que terminavam  com 1 ou 2 meses de atraso. Vamos ver … Mas só a nossa posteridade dirá exatamente se teremos ou não  uma nova era do gelo real, ou se será apenas uma pequena idade do gelo, porquê isso acontece durante centenas de anos e não de hoje para amanha. Tempo ao tempo …. A natureza não tem pressa!

SAND-RIO

13 Comments

  1. Posted 19 fevereiro 2015 at 7:02 PM | Permalink

    Pra quem não tem pressa, até que tá mudando bem rápido. os invernos do hemisfério norte estão cada vez mais rigorosos, seguindo um padrão de cada vez maior rigor, com records atrás de records enquanto a imprensa brasileira só sabe dizer que faz calor no verão do Rio. No brasil, sul, nevou em 2013, e 2015 como será ?. O el ninho que deveria ocorrer no ano passado, morreu antes de terminar a gestação. e etc etc…

  2. Antonio Gomes
    Posted 19 fevereiro 2015 at 11:58 PM | Permalink

    Viajei a Ny York dia 03 de fevereiro, lá o povo já não acredita em aquecimento Global. Os Nova Iorquinos nunca sentiram tanto frio. Fontes congeladas e todos lagos congelados. Cheguei a pegar -16 graus de mínima, tempestade de neve por três dias, e muito frio depois a neve não derreteu por mais de uma semana, nevou novamente na quarta durante a manhã e começo da tarde. Boston ficou duas semanas debaixo de neve pesada. Tudo parou Ny York continua viva mas o frio é ameaçador em todo seu entorno. Voltei no dia 17/02/2015. Fui ver de perto o tal de aquecimento global é de doer os ossos de frio. Rsrsrs. A máxima em torno de -2°

  3. Wagner
    Posted 20 fevereiro 2015 at 5:01 PM | Permalink

    Chicago quebrou recorde de menor temperatura em 79 anos, -22 graus célsius. Washington DC registrou a menor minima em 120 anos e Miami, acreditem se quiser, começou o dia com gélidos 3 graus! é o “aquecimento global” hahaha

  4. Posted 20 fevereiro 2015 at 5:48 PM | Permalink

    Neste mostra que o “pior” do aquecimento passou foi 2012. Será ?

  5. Posted 20 fevereiro 2015 at 5:58 PM | Permalink

  6. Posted 20 fevereiro 2015 at 11:23 PM | Permalink

    Pois é, o grafico que o Reginaldo mostrou é uma otimo exemplo de informação tendenciosa.
    Se vc partir de 1980 vc tem essa linha de tendencia mostrada, mas se vc partir de 2010, essa decada, a linha de tendencia é completamente diferente, ascendente. Cabe lembrar que gelo no artico é muito mais instavel que no sul.

  7. Antonio Gomes
    Posted 22 fevereiro 2015 at 9:33 PM | Permalink

    Novamente essa semana o frio voltou com tudo atingindo até Washington , a neve desceu mais a sul da Costa Leste dos USA, segundo a Record o frio chegou a -30° graus em Ny York, dessa eu escapei. Do Canadá ninguém mais fala deve estar isolado.

  8. Posted 2 março 2015 at 1:24 PM | Permalink

    Agora, mais importante que vermos o frio desse inverno no hemisferio norte, é prestarmos atenção em como vai ser o verão deles em junho. Até onde vai recuar a area com neve próxima aos polos no verão. E ainda, Acho que para esse ano o inverno no nosso hemisfério via surpreender muita gente, frentes frias fortes já estão chegando em março e a corrente das malvinas, a que nos traz frio, ja está bem forte.

  9. Anderson
    Posted 5 março 2015 at 1:59 PM | Permalink

    Esse delay de 8-10 anos de diferença nas temperaturas entre o hemisfério norte e sul, você teria alguma referência sobre essa informação para que eu pudesse ler mais sobre o assunto? obrigado.

  10. Anderson
    Posted 6 março 2015 at 4:20 PM | Permalink

    Li os 3 papers, que mostram basicamente diferenças na razão de aquecimento quando se compara oceano/parte terrestre no planeta. Entre esses artigos, o segundo da lista faz uma comparação mais direta entre essas diferenças para uma mesma latitude no HN e HS. Então gostaria de perguntar ainda se possível: como transformar essas diferenças em escala temporal? obrigado.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: