A Natureza não tem preço: capitalismo verde é neocolonialismo

Agora não chegam as caravelas com portugueses, espanhóis, ingleses, franceses e outros do Norte “desenvolvido”. Chegam empresas transnacionais desse mesmo Norte, trazendo a tiracolo os governos de seus países, com propostas “ecologicamente corretas” e carregando em seu bojo a subordinação ainda maior dos povos do Sul. A terra, lastro do capital natural, está sendo comercializada em bolsas de valores. Tal sanha também se estende aos outros elementos da natureza, como o ar, a biodiversidade, a cultura, o carbono – patrimônios da humanidade.

A Natureza não tem preço: capitalismo verde é neocolonialismo. 21286.jpeg

Essa estratégia, por um lado, está sendo utilizada pelos donos do grande capital, receosos de que fique ainda mais evidente para a humanidade que as catástrofes ambientais não são tão naturais e sim resultado da exploração sem limites da natureza, com o objetivo de engordar seus já polpudos lucros através da cultura do consumo exagerado, imposta com sutileza às sociedades. Por outro lado, apresenta-se como uma saída para a crise mundial pela qual passa o capitalismo – agora travestido de “verde” -, demonstrando sua capacidade de constantemente reciclar-se. É neste contexto que o capital vem apresentando, desde a Eco 92, suas propostas nas convenções do clima até agora realizadas.

O mecanismo de Redução de Emissão por Desmatamento e Degradação (Redd) não diminuirá a poluição. É uma farsa. Na verdade, na melhor das hipóteses, significa trocar “seis por meia dúzia”. As empresas poluidoras dos países ricos do Norte pagarão para os países do Sul e continuarão a poluir. Nesse contexto, povos indígenas estão sendo assediados por Organizações Não Governamentais (ONG) a serviço das empresas do Norte para que firmem contratos cedendo suas terras e florestas para a captura de gás carbônico (CO2).

Com o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), a relação com a natureza passa a ser mercantilista, ou seja, os princípios de respeito do ser humano para com a natureza passam a ter valor de mercado e a ser medidos nas bolsas de valores. O dinheiro resolve tudo, paga tudo.

 Os mecanismos do “capitalismo verde” reduzem a capacidade de intervenção do Estado e dos povos na gestão de suas florestas, bem como de seus territórios, que passam a ter o ônus de viabilizar compensações ambientais massivas em favor da manutenção do insustentável padrão de desenvolvimento dos países ricos e dos em franco desenvolvimento, caso do próprio Brasil.

Mecanismos de compensação para a captura de carbono colocam em risco a própria soberania nacional, através da expansão das transnacionais na consolidação do poder e controle sobre povos e governos, águas, territórios e sementes nos países do Sul, além de modificarem os modos de vida das comunidades locais, que passam a ser tratadas como fornecedoras de “serviços ambientais”.

Os chamados Mecanismos de Desenvolvimento Limpos (MDL) justificam a construção de hidrelétricas por serem estas classificadas nesta categoria. Não é por acaso que tantas estão sendo construídas, muitas atingindo povos indígenas, como é o caso de Belo Monte, Santo Antônio e Jirau.

Ao aceitarem fazer contratos de Redd, as comunidades indígenas obrigam-se a ceder suas florestas por 30 anos, não podendo mais utilizá-las, sob pena de serem criminalizadas. É o “pagador” quem vai definir o que o “recebedor” pode ou não fazer; ficando as comunidades subordinadas às grandes empresas transnacionais e aos governos internacionais.

Esses “contratos de carbono” ferem a Constituição Federal, que garante aos povos indígenas o usufruto exclusivo do seu território. O povo perde a autonomia na gestão de seu território e os recursos naturais são integrados ao mercado internacional.

Trata-se de um novo momento histórico, absolutamente novo, mas com características já vividas em outros momentos: a reterritorialização do capital internacional e desterritorialização dos povos indígenas.

Os povos atrelados a tais contratos são transformados em empregados dos ricos, passando da condição de filhos, cuidadores e protetores da Mãe Natureza (Pacha Mama) para a condição de promotores do capital natural, criando-se assim uma nova categoria: operários da indústria do carbono.

Para os povos indígenas, a terra é mãe, as árvores são os cabelos, os rios são o sangue que corre em suas veias. Para o “capitalismo verde”, os rios são considerados infraestrutura natural e a natureza uma força que precisa ser domada em benefício de um dito progresso, profundamente autofágico, perverso e totalitário.

Exemplos de como se dá a relação dos indígenas com a natureza não faltam. Para os Guarani entrarem na floresta, logo de manhã, rezam e pedem a Nhanderú orientação na direção em que devem caminhar. Redd e PSA transformam a natureza em mercadoria, a gratuidade em obrigação, a mística em cláusula contratual, o bem estar em supostos “benefícios do capital”. É a mercantilização do sagrado e a coisificação das relações humanas em interface com o meio ambiente.

É preciso recuperar a memória da humanidade sobre nossos vínculos com a natureza, expresso no Suma Kawsay (Bem Viver). O meio ambiente e as culturas que vivem em harmonia com ele devem ser as bases para o desenvolvimento humano e das sociedades; não um item da economia de mercado.

Na convivência com os povos indígenas, percebemos que são eles, com seus conhecimentos e sabedoria, as fontes inspiradoras para um outro tipo de modelo de sociedade onde o SER prevalece sobre o TER, respeitando e vivendo em harmonia com a natureza.

O “capitalismo verde” é sinônimo de neocolonialismo. Em pleno século 21, surgem novos “espelhinhos” – os PSA, o REDD -, lembrando a estratégia usada pelos colonizadores no século 16 para conquistar e destruir os povos indígenas, apoderando-se de seus territórios.

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi), após analisar a lógica do “capitalismo verde” – dito sustentável – e suas consequências para as populações mais sofridas e exploradas do planeta, em especial os povos indígenas, quer juntar-se aos demais setores organizados que dizem NÃO à financeirização da natureza, NÃO à “economia verde” e NÃO ao mercado de carbono.

Conselho Indigenista Missionário (Cimi)

COP20, Lima, Peru

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: