ANTÁRTIDA: reescrevemos a história

UPDATE 1: 

Continue a prorrogação excepcional do gelo marinho da Antártida: ganhou mais de 58.000 quilômetros quadrados em apenas uma semana, e estabeleceu um novo recorde.

Os dados sobre o crescimento do gelo marinho ao redor da costa da Antártida  são verdadeiramente excepcionais.  Com o fim do inverno austral, o gelo ao redor do Pólo Sul está prestes a atingir o seu máximo de extensão para latitudes mais setentrionais.Nesse período, ao longo dos principais mares em torno da Antártida, depois do recorde impressionante de maio, a extensão de gelo tem aumentado a um ritmo fenomenal, um crescimento de cerca de 500 quilômetros quadrados ( 41.900 milhas quadrados) por dia, às vezes até maior a taxa média de 108.400 quilômetros quadrados (41.850 milhas quadrados ) por dia. Atualmente, de acordo com as últimas medições por satélite, a extensão de gelo atingiram valores muito fora do comum, atingindo 1,535 milhões quilômetros quadrados . Uma das figuras mais altas até agora medida com a ajuda de tecnologia de satélite. Mas ainda mais surpreendente foi o crescimento do gelo do mar nos últimos sete dias, o que ultrapassaria o 58,000 km quadrados , registrando assim o novo recorde de maior crescimento em apenas sete dias. Na verdade, desde o início das medições por satélite, nunca registrou um crescimento tão rápido e repentino do “Pack” que rodeia o continente gelado.

antarctic_sea_ice_extent_2014_day_261_1981-2010Estes 58.000 km quadrantes ganhos em uma semana destaca o período de excelente saúde de gelo marinho da Antártida, que encontra a sua explicação em uma série de fatores, muito complexas e encadeadas, que vão tentar listar tão bem quanto possível. Os 1.535 mil quilômetros quadrados são realmente excepcionais. Não são confrontados com uma nova idade do gelo, mas o fato é que, se o Ártico continua a sofrer, a Antarctica  tem uma boa forma, especialmente durante o período de inverno, a gravação de uma extensão considerável de gelo marinho, que pode ir até latitude considerável. Portanto, o transporte nos mares do sul está se tornando mais e mais insidioso, devido à maior presença de icebergs e blocos de gelo que tendem ir a deriva, sob a pressão de grandes tempestades (” ventos katabatic “muitos violentos) que varrem periodicamente as costas em torno do pólo sul. Embora esta seja uma muito jovem e muito gelo fino, muito vulnerável à ação das ondas e do aumento da temperatura, é capaz de cobrir toda a bacia, a leste da Península Antártica, bem como uma boa parte da bacia, próximo da Antártida Oriental.

O mapa destaca a grande camada de gelo que cobre as bacias em torno da Antártida para o norte trato da Península Antártica

O gelo do mar já cobria grande parte do Mar de Weddell, o Mar de Amundsen e o setor oriental do mar de Ross, onde a navegação só pode ser feito com a ajuda de quebra-gelos.Mas devemos ter em mente que, neste caso, os ventos e as correntes oceânicas, e não tanto a temperatura do ar, assumiu um papel de liderança em empurrar o gelo da costa da Antártica para latitudes setentrionais. Mesmo nos últimos dois meses, os ventos predominantes ao longo da Antártida, morreram principalmente dos quadrantes do sul, com a ativação de rajadas fortes“catabatiche” (ventos gelados que descem do planalto interior da Antártica para as costas do continente) que o interno Antártida Planalto está rapidamente direcionado para as áreas costeiras, com vista para o Mar de Weddell, Mar de Amundsen, e em parte do Mar de Ross. Nos últimos meses temos visto ao longo da costa da Antártida a persistência de um padrão atmosférico, caracterizada por um núcleo forte e permanente anticiclônica, natureza térmica (caracterizada pela presente ar muito frio e pesado sobre o planalto central), que durante várias semanas manteve-se quase estacionária na parte ocidental da região do Mar de Weddell, a Península Antártica e no Mar de Bellingshausen. A presença deste anticiclone térmico importante, com o ponto mais alto de trompas bastante alto, tem favorecido a ativação de uma substância persistente, intensa e geladas de ventilação dos ventos do sul, geralmente a partir de S-SO e SO, que atacou as grandes áreas de constância costeira a leste da Península Antártica, o Mar de Amundsen e no Mar de Weddell (até de largura). Mas a característica mais incomum  respeito à ventilação do sul é que os fortes ventos do S-assim não só ajudou a empurrar o gelo para as latitudes médias-baixas do hemisfério sul, mas eles voaram ao longo das massas de ar frio, em vez de correr  da Antártica Plateau, que são dirigidos para as latitudes mais temperadas.

antárticas-base-montanhas-storm_12150_600x450Este ar de origem antártica muito gelada, para as camadas inferiores (temperaturas muito abaixo de 0 ° C + ) que flui sobre o Mar de Weddell, também impediu o derretimento da superfície de gelo no mar, mantendo as águas deste, no ponto de congelado.Comparado ao gelo do mar do Ártico, o gelo marinho da Antártida geralmente apresenta maior variabilidade sazonal, derivado de  longo multiplicidade de factores. Ele tem mais espaço para crescer no inverno, como a Antártida e um grande continente totalmente cercada pelos mares, e dissolve-se mais completamente no verão, devido às características apenas declaradas. O gelo marinho da Antártida está sujeito a uma ampla gama de influências e variáveis ​​da atmosfera pelos oceanos que a rodeiam e as mesmas correntes oceânicas. De um ponto de vista dinâmico, o fenômeno pode ser explicado também pelo fato de que o ar muito gelada da Antártida Plateau, é muito denso e pesado e tende a escorregar nas costas da Antártida, canalizados com força na área de encosta, favorecendo a ativação dessas correntes de ar que desce das geleiras do pólo sul.

plot001_f24Neste caso também a topografia tem um papel crucial na tomada de “canal” ou desviar as correntes geladas furiosos vindos do continente mais frio do planeta. Muitas vezes, ao longo da costa do ventos“katabaticos” , na descida do planalto de gelo, pode atingir valores de 100-150 km / h , com rajadas de até 180-200 km / h .Mas em determinadas situações, especialmente durante o outono ou o inverno austral, quando os mares subantárticas desenvolvem aqueles muito profunda “depressão-furacão” (pelo menos no chão, mesmo abaixo do 940-935 hPa ) e são determinados incrível “baric gradientes horizontal” com o Planalto, do ‘anticiclone dominado permanente sobre1040 hpa , você pode levantar o vento furacão de poder extraordinário, capaz de reduzir a visibilidade horizontal a alguns metros à imensa “sopro da neve” criado em geleiras.Estes ventos muito fortes, que sopram do interior Planalto para a costa, muitas vezes, podem facilitar uma extensão significativa dos blocos de gelo sobre os mares que rodeiam a Antártida, assim, que representam um dos muitos elementos (tendência das temperaturas médias, as correntes oceânicas, a intensidade troca de calor entre as áreas do oceano e do interior Plateau) que contribuíram para a realização do novo extensão máxima do “pacote” da Antártida.

FIM DO UPDATE

Nada como este é “nunca foi visto” . Na Antártida o gelo marinho está marcando um grande novo recorde e atingiu uma extensão nunca visto até agora.

seaice_area_antarctic

Mar de gelo da Antártida

http://arctic.atmos.uiuc.edu/cryosphere/antarctic.sea.ice.interactive.html

 16.480.000 kmq !!! Quase um milhão e meio de quilômetros quadrados a mais “do que a média de trinta anos 1981-2010”. Vencendo o  recorde histórico de 2007, com um mais de 245.000 kmq e não acaba aqui: o registro pode ser reajustado no próximos dias. Isso não  é certamente um evento ocasional, mas sim “uma tendência que tem se ‘estabelecido na última década: nas ultimas 10 estações de inverno  foi atingido por oito vezes os 16.000.000 Kmq!!!! O mar de  gelo chegou  abundantemente sobre a  barreira do 60 ‘paralelo sul até chegar em determinados pontos ao 55’ paralelo: a vastidão branca que, em conjunto com o continente ultrapassa 31 milhões de quilômetros quadrados e que cobre quase 15% de todo o hemisfério sul.

antarcsstnowcast

Os dados que literalmente nos faz tremer.

Primeiro os warmistas negam categoricamente a evidencia dos fatos argumentando que o mar de gelo da Antártida está se expandindo devido ao aquecimento do polo sul!!!!! .Nada de  mais “falso !!!!  O pólo sul está progressivamente resfriando-se.: As temperaturas estão caindo com um média 0,14c °  por década e é neste inverno no sul do que no passado foram ajustados os record para novos mínimos, chegando mais “do que em uma ocasião, ao -90c. Agora  estou escrevendo este artigo e a temperatura  é de’ apenas ‘- 65c.

O clima de primavera austral “já começou e os primeiros raios do sol estão chegando nesta área do planeta tão distante, apesar do que ‘o gelo ainda está crescendo graças  ao efeito albedo: os raios do sol em vez de ser absorvidos pelo oceano são refletidos de volta ao espaço fazendo mais resfriar o mar. Gelo e mais gelo e ‘através deste mecanismo que é ativado apenas a glaciações com a Corrente Circumpolar Antártica, a única corrente marinha que gira um círculo completo ao redor do planeta e ela subiu  para o norte de 5 graus de latitude. Ninguem  ainda está explicando isso.

untitled

4_oceancirc

O ACC (Corrente Circumpolar Antártica) é a maior corrente (por volume de água transportada) e é o motor de todas as correntes do oceano: a variação da ACC tem repercussões em toda a circulação termohalina global com todas  as consequências daí resultantes.

https://sandcarioca.wordpress.com/2010/03/31/1-la-corrente-circumpolare-antartica/

https://sandcarioca.wordpress.com/2010/04/12/2-a-corrente-circumpolare-antartica-e-a-sua-influencia-sobre-o-clima-da-terra/

2 meus artigos em italiano mas que podem ser traduzidos com google tradutor. Ainda pouco se sabe sobre esta importante corrente do sul mas se sabe quase tudo sobre as correntes no norte do planeta… a Ciência oficial pega a grana $$$ dos paises do hemisferio norte…..

Sem negar: isso no momento é  verdadeira mudança do clima, mudança que poderia explodir o equilíbrio que existe em nosso planeta há séculos e que nos levará “provavelmente um passo para mais” frio. Poderia ser um arrefecimento moderado, mas poderia ser o “início de uma PEG (Pequena Idade do Gelo) . Na cada caso é impossível saber agora: a única coisa que temos a certeza” que não é certo aquecimento global. Chegou o momento que a  ciência oficial “tome uma posição mais clara” deixando de fora a política cientifica das finanças $$$ e que diga a verdade “de uma vez por todas” . Estamos cansados ​​de ser considerados idiotas.

Sand-rio

Anúncios

7 Comments

  1. Posted 19 setembro 2014 at 1:13 AM | Permalink

    Tem uma coisa intrigante que os antropólogos ainda não resolveram. Luzia, o fóssil mais antigo que era conhecido no Brasil tinha características negroides ou dos aborígenes da Austrália, ou seja, de origem africana ou australiana. Os fosseis descobertos no USA tinham características mongoloides, ou seja de origem asiática.
    Até hoje as únicas teorias existentes é que vieram mais do que uma corrente de emigração através do estreito de Bering, porém até agora ninguém pensou numa imigração pela antártica que poderia durante o verão austral do último período glacial estar ligando os dois continentes.
    Com este ritmo de crescimento da Antártida pode ser que em algum tempo tenhamos a ligação dos dois continentes!

    • Posted 20 setembro 2014 at 1:23 PM | Permalink

      Tomara que não, por que se isso acontecer estaremos novamente em uma grande era do gelo.

  2. Antonio Gomes
    Posted 20 setembro 2014 at 1:17 PM | Permalink

    Bem observado Rogerio, só olharam a ligação da ponte Europa, Alaska do estreito de Bering. Mas se a Antártica também conseguir fazer uma ponte com a América do Sul e a África, ou Austrália? Pode ser até provável. Mas se isso acontecer teríamos a configuração de nova era glacial.

  3. Bruno
    Posted 20 setembro 2014 at 5:22 PM | Permalink

    Existe algum estudo feito no Brasil que mostre como era o clima aqui nos períodos das antigas ‘PEG’ (Pequena Era do Gelo)?

  4. Posted 21 setembro 2014 at 11:47 AM | Permalink

    Ainda não parou de crescer (16.80) e continua crescendo rapidamente:

    http://arctic.atmos.uiuc.edu/cryosphere/antarctic.sea.ice.interactive.html


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: