Consenso alarmista sobre o “aquecimento global” derrete-se rapidamente

Publicado no site do Mídia Sem Máscara

Referindo-se à teoria do “aquecimento global” e ao rápido abandono da mesma, o Prof. Peter Wadhams, especialista da Universidade de Cambridge, afirmou: “Isto não é um ciclo, não é apenas uma flutuação. No final, tudo vai derreter de repente”.

A generalizada percepção de que não houve aquecimento de origem civilizatória fez o IPCC – Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas – modificar seu principal documento. O IPCC não é um órgão científico, mas político, criado pelos governos com muita participação dos Ministérios do Meio Ambiente nacionais.

De fato, o Quinto Relatório de Avaliação do IPCC, que atualizou os desqualificados Relatórios de Avaliação anteriores apresentados pelo órgão, moderou acentuadamente suas catastróficas previsões anteriores, e supôs que pelo ano 2100 o “aquecimento global” ficará entre 0,5ºC e 1,5º.

O Quinto Relatório publicado no fim de setembro 2013, teve que driblar mais de 1.500 alterações propostas pelos governos que financiam o IPCC.

Aguarda-se a explicação de como foi possível que os anteriores Relatórios sequer considerassem a “pausa global” – nome atribuído à constatação de que o aquecimento global parou nos últimos quinze anos.

Segundo a professora Judith Curry, “agora ficou claro que os modelos utilizados eram excessivamente sensíveis ao CO2”. Ou seja, que estava errada a apresentação dramática do aumento do CO2 como fator de “aquecimento global”.

A mídia fez sua festa se espantando de que há 800.000 anos o CO2 não estava tão alto. Por quê pararam nessa data?

É porque precisavam esconder que em épocas anteriores o CO2 teve uma presença na atmosfera entre 700% e 1.000% maior, com extraordinário benefício para o desenvolvimento da vida vegetal e animal. (Confira: “Aumento da temperatura e do CO2 ajudam a expandir a vida. Como ocultá-lo manipulando fatos científicos?”.

Curry também disse que os estudos anteriores não levaram em contra os ciclos de longo prazo das temperaturas nos oceanos.

São esses ciclos que estariam esfriando a Terra como no período 1965-1975, quando muitos cientistas – e não-cientistas como Al Gore – anunciavam a iminência de uma nova era de gelo.

De acordo, com o Prof. Anastasios Tsonis, da Universidade de Wisconsin, nós estamos entrando num período de esfriamento que durará pelo menos 15 anos.

“O IPCC sustenta que seus modelos mostram que se deve esperar uma pausa 15 anos. Mas isso significa que somente dentro de poucos anos eles vão admitir que estavam errados”, disse Tsonis.

Segundo especialistas que estudaram os projetos do Quinto Relatório de Avaliação, o IPCC continuaria apegado a suas profecias alarmistas sobre o “desaparecimento” do Ártico. (Veja post anterior Ártico se recupera e ambientalistas aloucados perdem face.)

Historiadores do clima tornaram público que um derretimento massivo do Ártico aconteceu nas décadas de 20 e 30 do século passado, voltando o gelo ártico depois a crescer em anos de intenso esfriamento.

Os sucessivos derretimentos e recongelamentos do Ártico mostram que nas grandes mudanças climáticas a influência do homem não é crucial, sendo os fenômenos naturais seus únicos determinantes.

3 Comments

  1. Antonio Gomes
    Posted 24 outubro 2013 at 8:53 PM | Permalink

    É cada vez fica mais díficil de explicar.Sem o calor aumentar, e o volume de neve e frio a crescer.

  2. paulo
    Posted 25 outubro 2013 at 9:36 AM | Permalink

    Judith Curry publicou um trabalho recente em que explica os períodos de aquecimento e resfriamento como ondas de um estádio (ola). O calor começa nos trópicos e se direcionam aos polos periodicamente. Os efeitos são nossos conhecidos ENOS, DOP e AMO. E como toda onda reflui, espera-se um período longo de “pausa” (até pelo menos 2030)nas temperaturas que vão mascarar qualquer pequeno efeito que o CO2 possa ter. O grande problema para o IPCC e seus asseclas é que isso explica o recente aquecimento das décadas de 80/90 sem necessidade de CO2 e explica a recente “pausa”. Logo ficará claro para o mundo que a sensibilidade do clima ao CO2 é muito pequena, e que o “ruido” normal das oscilações naturais do clima suplantam qualquer sinal que o CO2 possa ter.

  3. paulo
    Posted 25 outubro 2013 at 9:42 AM | Permalink

    Só para esclarecer, Judyth Curry é uma grande cientista que hoje é considerada uma “herege”, tão perigosa como Steve MacIntyre, Richard Lidzen, Roy Spencer e outros.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: