As erupções solares podem destruir a Terra?

Há uma necessidade legítima de proteger a Terra das formas mais intensas do clima espacial, por exemplo, das grandes explosões de energia eletromagnética e de partículas geradas pelas tempestades solares e pelas ejeções de massa coronal.

As erupções solares podem destruir a Terra?

A erupção solar mais forte já registrada até hoje ocorreu no dia 4 de Novembro de 2003, atingindo um nível X28. [Imagem: ESA and NASA/SOHO]

Mas documentários recentes, apresentados nos canais de TV a cabo, transmitiram a ideia de que uma gigantesca “explosão solar apocalíptica” poderia literalmente torrar a Terra.

Para desmistificar essas ideias – isso não é realmente possível – a NASA divulgou um comunicado, mostrando o que é fato e o que é ficção sobre as erupções solares.

Impactos do Sol sobre a Terra

A atividade solar está mesmo aumentando, rumo ao que é conhecido como máximo solar, algo que ocorre aproximadamente a cada 11 anos.

No entanto, esse mesmo ciclo solar tem ocorrido ao longo de milhões de anos, de forma que qualquer pessoa com idade superior a 11 anos já sobreviveu a um máximo solar, saindo sem ferimentos. E o atual máximo solar é um dos mais suaves que se tem notícia.

Isso não quer dizer que o clima espacial não possa afetar nosso planeta.

O calor explosivo de uma labareda solar não pode fazer todo o trajeto até a Terra, mas a radiação eletromagnética e as partículas energéticas geradas por esses eventos certamente podem.

As erupções solares podem alterar temporariamente a alta atmosfera, criando rupturas na transmissão de sinais, digamos, de um satélite de GPS, causando erros nos dados.

Outro fenômeno produzido pelo Sol pode ser ainda mais perturbador.

Conhecido como ejeção de massa coronal (CME na sigla em inglês: Coronal Mass Ejection) estas explosões solares liberam rajadas de partículas eletromagnéticas que chegam até a atmosfera da Terra.

Essas flutuações podem induzir flutuações elétricas ao nível do solo que poderiam até mesmo explodir transformadores nas redes de energia. As partículas de uma ejeção de massa coronal também podem colidir com os componentes eletrônicos de satélites artificiais, interrompendo suas transmissões ou mesmo danificando circuitos de forma permanente.

As erupções solares podem destruir a Terra?

A atividade solar está aumentando, rumo ao que é conhecido como máximo solar – mas o atual máximo solar é um dos mais suaves desde que o Sol começou a ser monitorado, há mais de 100 anos. [Imagem: David Hathaway/NASA/MSFC]

Clima espacial

Em uma sociedade cada vez mais tecnológica, onde quase todo o mundo depende dos celulares e o GPS não controla apenas o sistema de mapas nos carros, mas também a navegação dos aviões e os relógios extremamente precisos que governam as transações financeiras, o clima espacial de fato se tornou um assunto sério.

Mas é um problema da mesma forma que os furacões são um problema, diz a nota da NASA.

É possível se proteger deles com uma informação prévia e as devidas precauções. Durante um alerta de furacão, uma pessoa pode não fazer nada e ficar sujeita a ele – ou pode selar a casa, desligar a eletricidade e tomar outras providências para minimizar os danos, sem correr o risco de se ferir.

Da mesma forma, os cientistas agora já dispõem desondas espaciais que monitoram o Sol continuamente, podendo dar alertas com vários dias de antecedência – as perigosas partículas das ejeções de massa coronal levam entre dois e quatro dias para nos atingir, dependendo de sua energia.

Um caso realístico de funcionamento desse sistema pôde ser visto recentemente, quando ocorreram as erupções solares mais fortes do ano. Os mais preocupados podem acompanhar ao Sol ao vivo pelo celular.

O Brasil também já se precaveu, e recentemente o INPE lançou um serviço de previsão do clima espacial.

Assim, nossa tecnologia eletroeletrônica está vulneráveis às intempéries solares, mas também estamos mais alertas.

O importante a saber, destaca a NASA, é que, mesmo no pior caso de erupção solar, as chamas do Sol não são capazes de destruir fisicamente a Terra, e nem mesmo de torrá-la.

Artigo to ótimo site http://www.inovacaotecnologica.com.br/index.php

3 Comments

  1. Bruna
    Posted 25 junho 2013 at 2:55 PM | Permalink

    Ola Sand. Sigo uma pessoa no Facebook que comentou que a mancha 1777 poderia ter a polaridade invertida.
    Ela tem? E, se tiver, o que isso significa? Eu não entendi bem o comentário da pessoa.

  2. Antonio Gomes
    Posted 2 julho 2013 at 7:05 PM | Permalink

    Ultimamente o céu está apresentando uma cor esbranquiçada, e muitas nuvens isso também deve colaborar para o arrefecimento da Terra, isso têm alguam coisa haver com a baixa atividade solar,e um aumento nos raios côsmicos?


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: