O Rio Amazonas produz níveis do monstro de “poluição”. O dilema. Devemos parar o rio?

Notícia-anúncio para os fãs do Rio Amazonas: Um novo estudo mostra que, enquanto a Floresta Amazônica é o pulmão do planeta , puxando para baixo gigatoneladas de CO2, o rio desfaz todo o bem que as árvores fazem, e derrama todo o CO2 de volta para o céu. Maldito aquele rio eh? Sorte, apenas descargas  um quinto da água doce do mundo.

Aparentemente, a maioria dos pesquisadores dizem que as bactérias não podem digerir a lignina dos arvores e os detritos dos árvores rápido o suficiente para impedi-lo de chegar ao oceano *. Vida microbiana parece subestimar  uma aflição comum, e nós ouvimoscom uma grande surpresa que apenas 5% da lignina realmente acaba chegando ao oceano, onde ele pode afundar até o chão e ser sequestrado. O restante é dividido por bactérias e liberado no ar. As pistas estavam lá há anos que a Amazon estava emitindo muito mais CO2 do que as pessoas esperavam, mas o consenso foi de que “não fazia sentido”. Tanto para esse consenso.

Mais uma vitória para observações sobre opiniões.

O Rio Amazonas Exala Praticamente todo o carbono absorvido pelas florestas fluviais.

A floresta amazônica, conhecida popularmente como o pulmão do planeta, inala o dióxido de carbono, uma vez que exala oxigênio. As plantas usam o dióxido de carbono do ar para crescer partes que eventualmente caem no chão para se decompor ou ser lavados por chuvas abundantes da região.

 
A foz do Rio Amazonas tem três canais principais, com uma ilha do tamanho da Suíça no meio. (Crédito: NASA)
 Até pouco tempo atrás, as pessoas acreditavam muito que o carbono da floresta tropical navegava pelo Rio Amazonas e acabava no fundo do oceano. Pesquisa da Universidade de Washington mostrou uma década atrás que os rios exalam enormes quantidades de dióxido de carbono – mas deixou em aberto a questão de como isso era possível, uma vez que casca e caules foram pensados ​​para ser muito difícil para as bactérias do rio de digerir.

Um estudo publicado esta semana na Nature Geoscience resolve o enigma, provando que a matéria da planta lenhosa é quase completamente digerida por bactérias que vivem no rio Amazonas, e que esse material resistente desempenha um papel importante no fomento da respiração do rio.

A descoberta tem implicações para os modelos globais de carbono, e para a ecologia da Amazônia e de outros rios do mundo.

“As pessoas achavam que este era um dos componentes que acabava de ser despejado no oceano”, disse o primeiro autor Nick Ward, um estudante de doutorado em oceanografia da UW. “Descobrimos que o carbono terrestre é respirado e, basicamente, se transformou em dióxido de carbono, uma vez que percorre o rio.”

A lignina resistente, que ajuda a formar a parte principal do tecido lenhoso, é o segundo componente mais comum das plantas terrestres. Os cientistas acreditavam que muito do que foi soterrada no fundo do mar ia para ficar lá por séculos ou milênios. O novo estudo mostra que as bactérias do rio dividi-la em duas semanas, e que apenas 5 por cento de carbono da floresta amazônica já atinge o oceano.

“Rios já foram pensados ​​como tubos passivos”, disse o co-autor Jeffrey Richey, professor de oceanografia UW.”Isso mostra que eles estão mais como altas metabólicas.”

Quando a pesquisa anterior mostrou o quanto de dióxido de carbono saiva dos rios, os cientistas sabiam que não se somam. Eles especularam que poderia haver algum desconhecida fonte de carbono de curta duração que as bactérias de água doce poderia  transformar em dióxido de carbono.

“O fato de que a lignina está provando ser  metabolicamente ativa e é uma grande surpresa”, disse Richey. “É um mecanismo para o papel dos rios no ciclo global do carbono – é o alimento para a  respiração do rio.”

A Amazônia só descargas cerca de um quinto da água doce do mundo e desempenha um grande papel nos processos globais, mas também serve como uma cama de teste para os ecossistemas fluviais naturais.

Richey e seus colaboradores estudaram o rio Amazonas por mais de três décadas. Pesquisas anteriores ocorreram mais de 500 milhas a montante. Desta vez, a equipe dos EUA e do Brasil procurou entender a conexão entre o rio e o mar, o que significava trabalhar na foz do maior rio do mundo – um local de estudo traiçoeiro.

“Há uma razão que ninguém está realmente estudado nesta área”, disse Ward. “Puxá-lo tem sido um grande desafio. É uma enorme, parte superficial da água.”

A equipe usou barcos de fundo chato para atravessar os três bocas de rio, cada um tão grande que você não pode ver a terra, na água tão ricas com sedimentos que parece leite com chocolate. Marés elevam o oceano por 30 pés, revertendo o fluxo de água doce na foz do rio, e ventos de até 35 mph.

Sob essas condições, Ward coletadou amostras de água do rio em todas as quatro estações do ano. Ele comparou as amostras originais com que foram deixados para sentar-se por até uma semana à temperatura do rio.De volta ao UW, ele usou técnicas recentemente desenvolvidas para analisar as amostras de cerca de 100 compostos, cobrindo 95 por cento de toda a lignina à base de plantas. As técnicas anteriores podem identificar apenas um por cento do carbono de origem vegetal na água.

Com base nos resultados, os autores estimam que cerca de 45 por cento da lignina da Amazônia cai em solos, 55 por cento quebra no sistema do rio, e 5 por cento atinge o oceano, onde ele pode quebrar ou afundar até o fundo do oceano.

“As pessoas tinha acabado de assumir, ‘Bem, não é energeticamente viável para um organismo para quebrar a lignina além, então por que não?'”, Disse Ward. “Nós estamos pensando que como a chuva cai sobre a terra que está levando consigo estes compostos de lignina, mas também está levando com ele a comunidade bacteriana que é muito bom em comer a lignina.”

A pesquisa foi apoiada pela Fundação Gordon e Betty Moore, a National Science Foundation e do Conselho de Pesquisa do Estado de São Paulo. Os co-autores são Richard Keil na UW; Patricia Medeiros e Patricia Yager na Universidade da Geórgia; Daimio Brito e Alan Cunha, da Universidade Federal do Amapá no Brasil, Thorsten Dittmar em Carl von Ossietzky University, na Alemanha, e Alex Krusche na Universidade de São Paulo no Brasil

One Comment

  1. Antonio Gomes
    Posted 10 junho 2013 at 10:24 PM | Permalink

    É o povo e não o rio, o Brasileiro é um mal educado.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: