Primeiras explosões solares de classe X em 2013

No dia 13 de maio de 2013, o Sol emitiu um flare-classe x2.8, chegando às 12:05 pm EDT. Este é o mais forte surto de classe X de 2013 até agora, superando em força o flare classe X1.7, que ocorreu 14 horas antes. É o 16 flare-classe X do atual ciclo solar e o terceiro maior surto desse ciclo. A segunda mais forte foi um evento X5.4 em 7 de março de 2012. O mais forte foi uma X6.9 em 09 de agosto de 2011.

Clique para visitar o post original

O flare-classe x2.8 também foi associada com uma ejeção de massa coronal, ou CME, outro fenômeno solar que pode enviar bilhões de toneladas de partículas solares no espaço, o que pode potencialmente afetar sistemas eletrônicos em satélites e no chão.O CME não era dirigido para a  Terra, mas poderia passar da NASA STEREO-B, Messenger e nave espacial Spitzer. Modelos de pesquisa da NASA experimentais mostram que o CME deixou o sol a 1.200 quilômetros por segundo a partir das 12:18 EDT. Se justificado, os operadores podem colocar sonda em modo de segurança para proteger os instrumentos a partir de material solar.

As labaredas solares são poderosas rajadas de radiação. Radiação nociva de uma crise não pode passar através da atmosfera da Terra para afetar fisicamente os seres humanos na terra, no entanto – quando intensa o suficiente – eles podem perturbar a atmosfera na camada onde viagem ps sinais de comunicações e do GPS. Isso atrapalha os sinais de rádio durante o tempo que o surto está em andamento – o blecaute de rádio associado a este surto, desde então, diminuiu.

Clique para visitar o post original

Os Impactos das explosões solares

Algumas pessoas temem que um gigantesco “explosão solar killer” poderia arremessar energia suficiente para destruir a Terra, mas isso não é realmente possível.

“X-classe” denota as chamas mais intensas, enquanto o número fornece mais informações sobre a sua força. Um X2 é duas vezes tão intensa quanto a X1, X3 é um de três vezes mais intensa, etc

Este surto eclodiu a partir de uma região ativa 1748 que ainda tem uma estrutura Delta com possibilidade de outros surtos de classe M e pode ser ainda classe X baixo. Esta região produziu duas erupções menores de classe M também.

No 12 de maio o surto também foi associado com uma ejeção de massa coronal, outro fenômeno solar que pode enviar bilhões de toneladas de partículas solares no espaço, o que pode afetar os sistemas eletrônicos de satélites e no chão. Modelos de pesquisa da NASA experimentais mostram que o CME deixou o sol em 745 milhas por segundo e não é a Terra-dirigido, porém seu flanco pode passar pela STEREO-B e naves espaciais Spitzer e seus operadores da missão ter sido notificado. Se justificado, os operadores podem colocar sonda em modo de segurança para proteger os instrumentos a partir de material solar. Há alguma radiação de partículas associado a este evento, que é o que pode preocupar os operadores de sondas interplanetárias desde que as partículas  podem danificar a eletrônica do computador a bordo.

Por si só, a  AR 1748 produziu mais X-flares do que qualquer outro de manchas solares do ano passado combinado. Em resumo, o AR 1748 tem nos dado um X1.7 flare-classe (0217 UT em 13 de maio), um x2.8 flare-classe (1609 UT em 13 de maio), um X3.2 flare-classe (0117 UT em 14 de maio ) e um X1 flare-classe (0152 em 15 de maio)

Impactos dos atuais   flares  solares na Terra? NENHUMA.

Olhem na figura abaixo as dimensões da mancha solar com o tamanho do nosso planeta.

Aumento do número de erupções são bastante comuns no momento, porque o ciclo de atividade de 11 anos normal do sol está aumentando em direção ao segundo máximo solar, que é esperado em outubro 2013. Os seres humanos têm seguido o ciclo solar continuamente desde que foi descoberto em 1843, e é normal que haja muitas labaredas de um dia durante o pico de atividade do sol. O primeiro surto de classe X do atual ciclo solar ocorreu em 15 de fevereiro de 2011, houve mais de 15 explosões de classe X, pois, incluindo este. O maior surto de classe X neste ciclo foi um X6.9 em 09 agosto de 2011.

Space Weather Prediction Center do NOAA (http://swpc.noaa.gov ) é fonte oficial do governo dos EUA para o espaço as previsões meteorológicas, alertas, relógios e avisos.

O que é uma tempestade solar?

Para obter respostas para estas e outras questões do clima espacial, visite o Space Weather página Perguntas Mais Frequentes (http://www.nasa.gov/mission_pages/sunearth/spaceweather/index.html).

Naturalmente a atividade magnética tem aumentado no mês com o solar flux atualmente a 140,5 (O máximo é ainda 153,5 em novembro de 2011)

4 Comments

  1. Antonio Gomes
    Posted 19 maio 2013 at 1:20 PM | Permalink

    Ciclo Solar 24: Será que vamos ter dois picos gêmeos, dois momentos de máxima atividade de manchas (sunspots) solares?

    O silêncio de atividade no SOL nos últimos meses tem levado alguns observadores a imaginar se os meteorologistas do clima espacial erraram o alvo. O cientista Físico da Dinâmica Solar Dean Pesnell do Goddard Space Flight Center da NASA, tem uma explicação diferente:

    O número de manchas solares estão bem abaixo de seus valores de 2011, e fortes explosões solares não têm sido frequentes nos últimos meses. “Este é o máximo solar “, ele sugere. ”Mas parece diferente do que esperávamos, pois é de um duplo pico.“
    Agora vemos nesta última semana ao que parece o sol está entrando num desse picos, um novo máximo pois as mancha estão aumentando novamente. Mas nada se comparado a outros ciclos, que dizer será bem aquém do que foi nos outros ciclo. A certeza que mais um ano para frente do sol voltará hibernar. E aí veremos suas influência definitiva sobre o clima da terra.

  2. Antonio Gomes
    Posted 19 maio 2013 at 1:27 PM | Permalink

    Outra pergunta quanto as manchas solares. Quantas são no momento? Disseram que não passaraim de 150, e há gent dizendo que já passou de 200. Isso é verdade?

    • Posted 19 maio 2013 at 3:42 PM | Permalink

      Como já falei muitas vezes a indicação do numero de SN que vc encontra no http://www.swpc.noaa.gov/alerts/solar_indices.html é calculado considerando que cada área com manchas pega o numero de 10 de sunspot mesmo que tinha só uma mancha.
      Assim ontem o numero de sunspot foi indicado em 146 com 9 regiões. As 9 regiões pegam 10 cada e por isso temos 90 e se vc faz um simples calculo o VERDADEIRO numero de sunspot (manchas) nas varias áreas ou regiões é o seguinte:
      146 – 90 = 56. O numero total de sunspot é isso 56. O numero 146 é um calculo que foi introduzido por Wolf que queria introduzir um simples calculo. Ele viu que na media cada área ativa tinha mais o menos 10 sunspot e por isso introduziu o calculo que é mantido até agora para manter a serie histórica.
      depois temos que considerar que cada observatorio vé uma coisa diferente dos outros….
      Assim ontem o observatorio de Learmonth viu 10 areas com SN 179. Pode ver que o verdadeiro numero de manchas é 79 +100 para as 10 areas.
      Sunspot Grupo Infromation

      Observatório: learmonth
      Obs. Time: 2,0 UT vendo: Pobre RSN: 179
      Não. Localização Tipo Área Número de ponto
      16 N23W54 BXO (L) 30 5
      17 N06W40 Dao (L) 60 10
      18 N14W12 NSO (L) 190 11
      19 S27W12 Dao (L) 100 5
      20 S18W18 Cao (L) 40 10
      21 N12E25 Dao (L) 110 12
      23 S10W40 Dao (L) 60 12
      24 S21W65 BXO (L) 40 3
      25 N17W38 Dro (L) 30 6
      27 N13E01 BXO (L) 30 5
      No mentre o observatorio de San Vito sempre ontem viu 8 areas com 43 manchas:
      Observatório: SAN VITO
      Obs. Time: 6,6 UT Vendo: RSN Feira: 123
      Não. Localização Tipo Área Número de ponto
      17 N07W44 Dso (L) 80 5
      18 N13W17 Dao (L) 230 12
      19 S28W17 Dso (L) 120 2
      21 S17W20 Dso (L) 40 6
      23 N12E20 Dao (L) 140 8
      25 S09W45 Dao (L) 90 6
      27 N19W42 BXO (L) 10 3
      28 N20W65 Axx 0 1

      http://hirweb.nict.go.jp/dimages/solinfo/20130518.html

      Tudo isso implica enormes problemas para a contagem mas o “oficial” é aquele do SIDC e assim HJ 19 temos o seguinte:
      7 grupos e 34 manchas: total 7*10+34= 104

      • Antonio Gomes
        Posted 21 maio 2013 at 7:35 PM | Permalink

        Muito obrigado por me explicar, pois eu nãotinha noção de como eles chegavam ao N° de manchas.Então está dentro do que se falava o sol pode ir ao máximo solar porém não vai ser algo fora do comum , pelo contrário ficará aquém do normal.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: