O SOL nos primeiros 10 dias de dezembro 2012

UPDATE:  

Avante e “para baixo” vamos para a previsão de “pico” do SC24, no outono de 2013 e David Hathaway raspa o outro ponto para o máximo número de manchas solares . 

image artigo

Ele passa a ser de 72, em um par de meses de tempo eu acho que deve ser perto de 64, e esse número, de acordo com David, vai ser em pé de igualdade com a “maxima” do ciclo 14 (fevereiro de 1906). Desde 2011 o número máximo de manchas solares têm caído a cada mês e há pouca confiança de que o “maximo” vai permanecer assim por mais um ano pela frente. Eu disse há algum tempo que o pico de SC24  já passou, o tempo dirá se estou certo sobre isso. Eu acredito que durante o próximo par de década o próximo Ciclo Solar 25 será praticamente inexistente e também fraco será o ciclo solar 26, como conseqüência as temperaturas mundiais vai despencar para outro “Mínimo de Maunder” se não mais profundo. Toda a desinformação atual sobre o “Aquecimento Global” e da estupidez dos investimentos em energia verde virá a poleiro nos próximos anos. Se a política dos Governos é deixada para continuar como está, a ignorância científica vai levá-la de pedágio com má preparação para dificultar em vez de ajudar a raça humana, uma raça definida para estar em uma estimativa de 7 bilhões de pessoas e, atualmente, pronto para o aquecimento, quando deveria ser pronto para arrefecimento ….. mais a seguir…..

O atual ciclo 24 é ainda em queda, e acho sempre com mais convicção que já tivemos o máximo do ciclo em fevereiro do 2012.

O NOAA SWPC recentemente atualizou seus gráficos solares, e parece-me que podemos ter passado o maximo do  ciclo solar 24. Não parece haver qualquer evidência de ressurgimento no SF ou no SSN. Concedido que um mês não é  um ciclo, mas è  mais de um ano desde que tivemos o pico de cerca de 95 SSN em outubro de 2011, e não houve nada semelhante desde então. Ao contrário das grandes oscilações de Solar Max como a última volta de 2000-2001, há muito pouca variação nos sinais magnéticos, demonstrando que a volatilidade esperada durante Solar Max simplesmente não está lá. Este máximo (pela NOAA-NASA) parece mais minimo que máximo.

O solar flux nos primeiros 10 dias de dezembro ficou sempre abaixo de 100 (durante o maximo o SF alcança un indice até 180-200) e o SSN em dezembro até agora tem um índice ridículo.

Esse é o SOL do máximo?

Previsão mais recente número de manchas solares

Última previsão número F10.7 centímetros fluxo

 Foi sete anos desde que a mudança de regime foi observada no Índice de Geomagnetic Solar (Ap) em outubro de 2005, e o sol parece estar em um período geralmente magneticamente calmo, desde então, sem nenhum indício de a volatilidade do ciclo passado.

Ap_index_Dec2012

UPDATE: Outro indicador de que estamos no Solar Max é que os campos magnéticos polares estão prestes a virar, como rastreados neste gráfico do Dr. Leif Svalgaard. Clique na imagem para ampliar:

WSO-polar-Campos-desde-2003 [1]

24 Comments

  1. LUCIANO
    Posted 12 dezembro 2012 at 10:57 AM | Permalink

    Como sempre um ótimo post!

    Os números parecem prever: ciclo 24 está indo para seu fim…

  2. Antonio
    Posted 12 dezembro 2012 at 9:06 PM | Permalink

    Bem é quase uma confirmação, o clima na terra também já dá sinais de mudanças climáticas como Tornados, ciclones, furacões fora das áreas que acostumavam aparecer. Será que caminhamos para uma pequena era de gêlo, ou mesmo uma nova era glacial?

    • Posted 12 dezembro 2012 at 10:54 PM | Permalink

      Temos já muitos sinais de resfriamento e acho que vou fazer artigos a cada 15 dias mostrando o que está acontecendo no planeta e como agora é mais difícil esconder a verdade para o povo.

      • Antonio Gomez
        Posted 22 dezembro 2012 at 4:22 PM | Permalink

        Muito bem pensado, isso poderia até servir de base para futuros estudos e pesquisas. Acho até que seria uma boa colaboração aos mais leigos que visitam a página, além de manter atualizado a informações do que realmente está acontecendo no clima da terra.

        • Posted 22 dezembro 2012 at 4:53 PM | Permalink

          Antonio Gomes, eu diria que além disto há outro benefício, o de fornecer subsídios para trabalhos escolares.
          As crianças são bombardeada com ‘press releases” do tipo. Cientistas europeus (como se com isto ficasse identificado a origem da informação) advertem que neste ritmo de aquecimento da Terra em breve a Antártica perderá o seu gelo”
          Se procurando a origem da informação, se vê que os tais cientistas europeus eram um grupo de jovens vinculados a organizações ambientais que pegando dados incertos de vinte anos projetaram sem nenhum critério e chegaram a conclusão que se nada mudar lá pelo ano 2500 o cenário seria este. Ou seja, tudo manipulação de informações.

  3. Reinaldo
    Posted 13 dezembro 2012 at 5:22 PM | Permalink

    Se acontecer o arrefecimento,seia uma ótima notícia.

    • Reinaldo
      Posted 13 dezembro 2012 at 5:53 PM | Permalink

      Se a temperatura cair 4 graus em regiões tropicais como rj em vez de fazer 38C cairia para 34C e salvador onde moro em vez de 29C a máxima seria de 25 certo?

      • Posted 13 dezembro 2012 at 6:46 PM | Permalink

        Reinaldo o arrefecimento é muito pior que o aquecimento.
        Olha 2 dos muitos artigos que já publiquei nesse blog.
        Se vc quer profundir é só ver os post sob a voz AGW e Clima.
        https://sandcarioca.wordpress.com/2012/11/21/arrefecimento-global-um-destino-muito-mais-perigoso/
        https://sandcarioca.wordpress.com/2012/09/03/e-o-resfriamento-global-ruim/

      • Antonio
        Posted 16 dezembro 2012 at 1:33 PM | Permalink

        Reinaldo se efetivamente entrarmos em uma era de gêlo a fome será a primeira a fazer vitimas, além que muitos vão morrer de frio no Hemisfério Norte, estradas seerão bloqueadas , canos d’água vão congelar , cidades e vilas vão ficar isoladas, campos com agricultura arrassados e pecuária bastante prejudicada, com isso muitos de lá teriam que se mudar para terras mais ao Sul. Dos males melhor seria o aquecimento global. pense nisso!

      • Posted 16 dezembro 2012 at 8:58 PM | Permalink

        Reinaldo

        Há algum tempo atrás o Pentágono fez uma das simulações do que aconteceria se entrassemos em uma nova idade do gelo, são simulações que todos os exércitos do mundo fazem para eventos extremos, tais como se cair um meteoro, se o super-vulcão de Yellowstone explodir, e daí por diante, ou seja, são cenários possíveis e catastróficos.
        Na simulação deste evento as consequências eram catastróficas, mais com a quantidade de conflitos regionais e mundiais que surgiriam do que qualquer coisa.
        Eu fico torcendo que nós todos aqui estejamos completamente errados, que o pessoal do aquecimento global antropogênico esteja com a razão.
        Este documento se chama “An Abrupt Climate Change Scenario and Its Implications for United States National Security” e á de 2008, muitos procuram atribuir a este documento parte de teorias conspirativas, mas é somente um dos milhares de documentos que o Pentágono escreveu. O importante é ver o que ocorreria em termos estratégicos com um evento do tipo. Pode-se ler em http://www.strategicstudiesinstitute.army.mil/pdffiles/pub862.pdf
        no documento verás que eles falam genericamente em alterações climáticas, porém a principal preocupação é com o resfriamento e não com o aquecimento;

        • Reinaldo
          Posted 25 dezembro 2012 at 9:53 PM | Permalink

          Sand-rio

          Obrigado pelas informações,mas seria bom um leve resfriamento.

          • Posted 25 dezembro 2012 at 11:46 PM | Permalink

            Eu não diria isto. Estamos num ponto de equilíbrio dinâmico em que a temperatura se mantêm constante a quase 12000 anos, a tendência é partirmos para uma bifurcação do sistema e esfriarmos muito mais.
            .
            Se observarmos, por exemplo, os níveis dos mares, a geologia nos mostra que já tivemos níveis de 4 a 5 metros superiores aos atuais, mas 150 metros abaixo dos mesmo.
            .
            Se esquentar até 2°C ou 3°C não é uma tragédia como nos fazem crer, porém se esfriarmos 4°C a 5°C em curto espaço de tempo (algo que é possível ocorrer) a civilização atual desaparece.

  4. Posted 14 dezembro 2012 at 4:05 PM | Permalink

    Sand-rio

    Vou aproveitar o teu espaço para divulgar a imensa PICARETAGEM científica que jovens pesquisadores alemães, a revista Nature e os Blogs alarmistas estão fazendo sobre um artigo publicado da Nature denominado:

    Increased future ice discharge from Antarctica owing to higher snowfall, por R. Winkelmann , A. Levermann , MA Martin & K. Frieler. Primeiro olhe a idade e a experiência científica que estes pesquisadores alemães tem (http://www.pik-potsdam.de/~anders/group.html) dois deles que aparecem como autores, a principal autora e mais outro, são membros de uma organização pró meio ambiente (http://www.therainforestsite.com/clickToGive/home.faces?siteId=4) os outros não me dei o trabalho de procurar.

    Mas vamos aos fatos, vários sites de preservacionistas alarmistas estão utilizando o trabalho para divulgar que, diferentemente do que se tem provado até hoje, com o aumento da temperatura do mar, nevaria mais na Antártica e na Groenlândia e o balanço entre a saída de gelo ao mar e a quantidade de neve seria favorável a diminuição dos níveis do mar.
    Para provar isto a jovem recém doutora Alemã, simulou um modelo de escorregamento do gelo para dentro do mar e dentro do intervalo de tempo simulado ela chega a brilhante conclusão que a velocidade de deslizamento aumenta e a Antártica perde mais gelo do que ganha em neve. Porém há um pequeno detalhe que está sendo ciosamente escondido ao grande público, a simulação foi feita até o ano 2500. Não estou brincando, a nossa jovem militante ecologista e pesquisadora alemã, simula 500 anos como nada mais mudasse na face da Terra do que a precipitação sobre a Antártica.
    Veja, como é a farsa, faz-se um trabalho sobre simulação numérica em que ao se discretizar as equações tem-se enorme incerteza a longo prazo sobre os efeitos dos coeficientes físicos empregados, e publica-se numa revista (The Potsdam Parallel Ice Sheet Model (PISM-PIK) – Part 1: Model description, Cryosphere, 5, 715–726, 2011).

    (Por exemplo, na discretização da equação básica, equação nº8, do texto aparece um coeficiente de viscosidade efetiva, que além da incerteza de todos os fatores que lhe dão origem, equação 10 do mesmo texto, ele é variável conforme a altura de integração, pois se trata de um modelo bidimensional descrevendo uma situação tridimensional). Esta incerteza quando o modelo é rodado por longo período de tempo apresenta seguramente um desvio, que utilizando-se coeficientes com valores 10% maiores ou menores, dentro do limite de confiança do valor inicial, distorcem totalmente o resultado.)

    Com este modelo, e suas incertezas, roda-se para uma dada situação e se lança o resultado para daqui a 500 anos sem maiores detalhes do que ocorre no meio do caminho, publica-se na Nature com belas figuras.

    Feito isto se lança uma série de press release na rede escondendo os 500 anos, ficando como na semana que vem o gelo deslizará para dentro do mar.

    Em resumo: É muita picaretagem.

    PS.: Farei uma análise mais técnica em meu blog, colocando as equações e as incertezas de quando se geram as mesmas. Vai demorar algum tempo.

  5. Luciana
    Posted 27 dezembro 2012 at 3:41 AM | Permalink

    é compreensível que uma baixa atividade solar esfriaria a terra, mas porque estamos morrendo de calor esses dias?
    é por causa da perda do cinturão de van allen? é verdade que ficamos mais vulneráveis a meteoros sem essa proteção porque aumenta a gravidade na terra?e que o sol fica mais perigoso para a saúde?
    eu li sobre isso mas como sou leiga no assunto gostaria de saber se é verdade que o cinturão diminui ou desaparece e entender melhor as consequências disto…..

    • Posted 27 dezembro 2012 at 4:36 PM | Permalink

      Luciana.

      Não posso afirmar categoricamente, porém acho que a informação não está correta. Talvez outros possam dar uma resposta melhor.

    • Posted 27 dezembro 2012 at 5:00 PM | Permalink

      Oi Luciana, acho que Vc fez um pouco de confusão.
      Pode ler este artigo (traduzindo com google se entende bem):

      http://www.mineman.eu/2006/5g/magnetico4a.html
      E tb no Wikipedia em portugues .
      http://pt.wikipedia.org/wiki/Cintur%C3%A3o_de_Van_Allen

      Meteoros não são mais perigosos agora que antes na historia do planeta, sempre o Sol é perigoso para a saúde pq uma longa exposição aos raios pode provocar câncer de pele, queimaduras e sempre não permitido olhar o Sol a olho nu.
      Baixas atividade solar provoca uma diminuição da magnetosfera terrestre e com isso entram mais raios cósmicos que provocam um aumento das nuvens, e por isso tb se fala que com um minimo solar a Terra resfria.
      Mas evc quer aprofundar mais seria bom de vez em quando entrar nesse blog e a pouco a pouco vc pode iniciar a entender como o clima da Terra depende para o 99% do Sol e 1% dos gases de efeito estufa e em primeiro lugar do vapor de água, depois metano e enfim pela CO2.

      • Posted 28 dezembro 2012 at 2:54 AM | Permalink

        Sand e Luciana

        E eu diria mais, principalmente para a Luciana, cuidado com tudo aquilo que está escrito na Internet, desconfie o máximo possível, desconfie principalmente de Sites e Blogs que não tens possibilidade de comentar.
        Quando leres alguma notícia mais alarmante faça um teste, descubra na Internet uma opinião contrária e post um comentário desfavorável, se o Site ou o Blog for sério, primeiro haverá lugar para colocares a tua opinião, segundo a tua opinião será transcrita e terceiro e último deverá vir uma contestação séria a tua opinião, baseada principalmente em artigos científicos. Só há um problema, os artigos científicos serem ou não sérios?
        Quanto a artigos científicos é mais difícil verificar, aí tens que te aprofundar mais no assunto, que é bem penoso e demorado.
        Outra coisa, um pouco de intuição e desconfiança também é necessário

  6. Fabiano
    Posted 28 dezembro 2012 at 3:13 PM | Permalink

    Olá boa tarde, tem como saber se o inverno de 2013 poderá ser mais frio?, o ano de 2012 no brasil foi bem quente, principalmente esse mês de dezembro que termina, com exceção do mês de junho que teve clima ameno pelo menos no mês de junho ao qual choveu bem pelo interior de sp, agora estamos sobre influência da neutralidade, tem como arriscar um prognóstico para o verão no brasil?
    desde já agradeço, e acho ótimos os artigos do site

    • Posted 28 dezembro 2012 at 3:53 PM | Permalink

      A previsão climática de consenso para o trimestre que inicia em janeiro e termina em março de 2013 (JFM/2013) indica maior probabilidade de ocorrência de chuvas na categoria abaixo da faixa normal (40%) para a área desde o Amapá até o centro-norte da Região Nordeste. Entretanto, devido a alta variabilidade espacial e temporal das chuvas, algumas localidades do Nordeste poderão apresentar períodos intercalados de excesso ou déficit de precipitação. Para o centro-sul da Região Sul, a previsão indica maior probabilidade de chuvas na categoria acima da faixa normal (45%), em associação ao aquecimento das águas superficiais adjacentes à costa das Regiões Sul e Sudeste do Brasil, que ainda pode persistir nos próximos meses. Nas demais áreas do Brasil, a previsão indica o padrão climatológico, com igual probabilidade de chuva para as três categorias (abaixo, normal e acima da normal climatológica). É importante mencionar que, para a faixa leste da Região Nordeste, o principal período chuvoso costuma iniciar entre os meses de março e abril. Ressalta-se, ainda, a possibilidade de excesso de precipitação nas Regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste, como resultado da formação de sistemas convectivos locais e de eventos da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) durante os meses de verão. As temperaturas podem variar entre as categorias normal e acima da normal climatológica em áreas nos setores central e norte do Brasil. Para o sul País, as temperaturas estão sendo previstas em torno da normal climatológica.
      http://infoclima1.cptec.inpe.br/

  7. Fabiano
    Posted 29 dezembro 2012 at 2:37 PM | Permalink

    Obrigado pela resposta, vi que se fala em resfriamento global, e que já está acontecendo algum tempo, nessas oscilações que o planeta tem de temperatura, ora um ano quente e outro frio, é certo dizer que há possibilidades de invernos posteriores serem mais rigorosos no brasil? . Sabendo que o hemisfério norte já passa por invernos rigorosos ainda esse ano, como o caso da rússia. Lembro que a minha mãe me conta que aqui em Araçatuba/sp em 1975, fez um frio de -1 grau negativo, o que é hiper raro, porque o calor daqui é escaldante no noroeste paulista.

    • Posted 29 dezembro 2012 at 3:45 PM | Permalink

      Ao longo dos últimos séculos, vimos tendências de temperaturas para cima e para baixo, mas mesmo durante as tendências de aquecimento pode haver invernos rigorosos e mesmo durante períodos de tendências de resfriamento podemos ter escaldantes verões. As pessoas devem lembrar que houve um período significativo de resfriamento durante o meio do 20 º século, e que durante os meados da década de 19 º seculo as pessoas estavam tentando descobrir como parar o avanço das geleiras nos Alpes europeus. Aqui é um pensamento assustador, que se a temperatura global deu uma guinada para o resfriamento, os dados históricos mostram que um clima frio é significativamente mais lúgubre e perigoso para a humanidade do que um clima em aquecimento.

      • fabiano
        Posted 29 dezembro 2012 at 10:12 PM | Permalink

        Realmente, um clima frio é mais perigoso para humanidade, mas também devo admitir que não gosto muito do calor, mas sei que o clima é imprevisível e tudo pode acontecer, Sand carioca, uma dica te dou além do seu site porque você não cria uma página no facebook para melhor interagir com as pessoas.🙂 fica ai a dica.

  8. Posted 29 dezembro 2012 at 4:28 PM | Permalink

    Caro Sand
    Andei olhando com mais cuidado a avaliação que é feita sobre a TSI, e o interessante é que há um nome que nos últimos 20 anos é quase que o único responsável pela correção dos dados brutos obtidos pelos satélites, Claus Fröhlich, sua ação vai desde a concepção dos sensores nos satélites, a aquisição dos dados, a “correção” dos mesmos e a interpretação.
    Olhando os dados brutos que o mesmo mostra em seus trabalhos tais como Solar Irradiance Variability ou mais recentemente Solar Constant and Total Solar Irradiance Variations, é interessante notar que as correções são extremas e sem a possibilidade de aferição. Mas o mais interessante é que as correções dos valores absolutos como as correções da deriva dos instrumentos perpassa em muito a própria sensibilidade dos equipamentos.
    Sabendo que Fröhlich é um aquecimentista furioso e extremamente convicto, gostaria de saber se alguém até hoje tentou verificar a fiabilidade e honestidade de suas correções. Sei que Scafetta já questionou os ajustamentos finais de Fröhlich, porém não questionou em nenhum momento as correções dos dados brutos.
    É interessante notar que em termos absolutos a cada satélite que se coloca em órbita para medir a TSI os valores absolutos diminuem, e por ajuste todos são trazidos para a mesma linha de base, inclusive o último satélite que foi colocado em órbita o SORCE/TIM aparece como seus valores de TSI sobrepondo os valores anteriores do ACRIMSAT/ACRIM3, porém se olharmos o trabalho de Fröhlich VIRGO Radiometry and Total Solar Irradiance 1996-2000 Revised, vemos que este satélite apresenta uma Irradiância de 4W/m² menor do que o ACRIM3, que foi “corrigida” por Fröhlich.
    Esta última correção é enigmática pois segundo os dados do satélite a precisão dos sensores era da ordem de 0,46W/m² em termos de valores absolutos.
    Para mim há, como se diz, mais coelho dentro deste mato.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: