A mudança climática e a queda do Império Maia

O National Geographic News tem uma interessante discussão sobre como a mudança climática resultou no declínio e morte do Império Maia.

http://news.nationalgeographic.com/news/2012/11/121109-maya-civilization-climate-change-belize-science/

mais recente estudo da mudança climática Maya , publicado  na revista Science, analisa-os estalagmites de uma caverna de Belize, pináculos rochosos irregulares na caverna andares de vincular oscilações climáticas para a ascensão e queda do império.

Estalagmites em uma caverna.

Yok Belize Balum caverna rendeu amostras estalagmite para um novo estudo.Fotografia cedida por Douglas Kennett, Penn State.

Formado por água e sais minerais pingando de cima, as estalagmites crescem mais rapidamente nos anos mais chuvosos, dando aos cientistas um registro confiável das tendências históricas de precipitação. Uma amostra usada no novo estudo, por exemplo, as flutuações de documentos já em 2.000 anos atrás.

http://www.sciencemag.org/content/338/6108/788

Entre as tendências reveladas pela estalagmites de Belize: “O período clássico do início dos Maya foi invulgarmente molhado, úmido do que os anteriores mil anos”, de acordo com a líder do estudo, Douglas Kennett , antropólogo ambiental da Pennsylvania State University. “Durante este tempo, a população proliferou”, auxiliado por um aumento súbito na agricultura.

Durante os mais úmidas décadas, 440-660, cidades brotou. Todas as características de civilização Maya sofisticados sistemas políticos, arquitetura monumental, complexo-religião entrou em plena floração durante esta época.

(Leia sobre a ascensão e queda do Império Maia no National Geographicrevista.)

Característica Maya

Mudança climática Faíscas Conflito

Mas o feitiço 200-anos molhados acabou por ser uma anomalia.Quando o pêndulo do clima tem oscilado para trás, seguido tempos difíceis.

“Os sistemas de maias foram fundadas sobre esses [Alto]  padrões de chuva”, disse Kennett. “Eles não poderiam se sustentar quando os padrões mudaram.”

Os séculos seguintes, a partir de cerca de 660 a 1000, foram caracterizados por repetidas e, às vezes, extremas secas. A agricultura diminuiu e não coincidentemente iniciou um conflito social, Kennet diz.

O sistema de Maya política e religiosa foi baseada na crença de que os governantes estavam em comunicação direta com os deuses. Quando essa conexões divinas não conseguiu produzir chuvas e boas colheitas, as tensões provavelmente se desenvolvi ou.

Dentro dos escassos 25 anos entre 750 e 775, por exemplo, 39 governadores em apuros encomendado o mesmo número de monumentos de pedra-evidência da “rivalidade, a guerra, e alianças estratégicas”, de acordo com estudo de Kennett.

Mas os tempos iria ficar ainda mais difícil.

Os registros das estalagmites sugerem que entre 1020 e 1100 a região sofreu seu mais longo período de seca dos últimos 2.000 anos. Com ele, o estudo sugere, veio a quebra de safra Maya, a fome, a migração em massa e a morte.

No momento em que os conquistadores espanhóis chegaram no século 16, as populações do interior Maya tinha diminuído em 90 por cento, e os centros urbanos haviam sido abandonadas. Fazendas tornou-se mato e cidades valorizadas pela floresta.

Maya tendem campos e transporte de mercadorias.

Esta é mais uma evidência de que a mudança climática é cíclica, com períodos quentes e frios, períodos secos e molhados. O clima tem experimentado longos períodos de estiagem com duração de 200-2000 anos. No momento, estamos vivendo em um período moderado assim como o Maya 440-660. A noção de que os seres humanos podem controlar o clima é apenas a dor tolo, um sonho político molhado que pode ser usado para assustar-nos para o pagamento de impostos de carbono.

3 Comments

  1. Allef Matos
    Posted 17 novembro 2012 at 5:23 AM | Permalink

    Olá Sand.

    Tenho acompanhado com uma certa frequência suas publicações e particularmente admiro sua paixão pela atividade solar. Eu também sou fã do astro rei. É algo notório perceber que alguém se dedica tanto a estudar o sol e nos tentar monstrar um pouco da realiade, sempre imparcial.
    Tenho que dar os parabéns.

    Sou administrador do fórum meteobrasil, que possui 687 membros. Um dos maiores do país em discussões sobre meteorologia e ciências afins. No fórum existe um tópico em astronomia só sobre o acompanhamento da atividade solar.

    Proponho a você uma parceria. Esta parceria consistiria em propaganda mútua (links nas páginas). Bem como seria um grande prazer ter sua participação no fórum. Afinal temos muito que aprender contigo.:D

    Espero que aceite a nossa proposta.

    Cordialmente,

    Allef Matos
    —————
    Administrador Geral
    Meteobrasil

    http://www.meteobrasil.com.br

  2. Antonio
    Posted 17 novembro 2012 at 2:42 PM | Permalink

    Bem afinal de contas, esse relatório da NASA dando conta que um máximo está para ocorrer em março de 2013, têm fundamento.Pois o sol ainda não deu amostra de que isso vá ocorrer.Podem esclarecer se isso têm fundamento.

  3. Luiz Gustavo
    Posted 17 novembro 2012 at 3:52 PM | Permalink

    Vou lhe dizer uma coisa viu irmão, tudo bem que foi a Revista Science quem publicou este artigo e tal, mas eu estudei históriaa, e posso lhe garantir que não há registro histórico algum, deixado pelos mayas, que defina como viviam aquelas pessoas, não se sabe exatamente nada sobre eles, além dos calendários e do Chilam Balam e algumas outras escrituras que só tratam de astronomia e espiritualidade. Precipitações, não definem o cotidiano de um povo que vive na floresta, visto que com chuva ou sem chuva a floresta produz alimento, eu sinceramente não sei o que a “ciência” quer, fazendo este tipo de publicação. Pura especulação!


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: