A inversão do campo solar polar, tal como é detectado por Hinode


Hinoide
Observatório Astronómico Nacional do Japão (NAOJ / nins) 
Riken 
do Japão Agência de Exploração Aeroespacial (JAXA) 
National Aeronautics and Space Administration (NASA) 
Ciência e Tecnologia Conselho das facilidades (STFC) 
da Agência Espacial Europeia (ESA)
A polaridade do esteso campo magnético polar na região solar polar é conhecida por inverter a cada 11 anos mais o menos, bem como a inversão ocorre a cerca de o máximo de actividade solar e este deve ter lugar em torno de maio de 2013 (fonte: NOAA).
Os campos magneticos em altas latitudes  foram observados com telescópios solares na Terra.No entanto, o próprio processo de inversão de campo polar é pouco conhecido devido à dificuldade das observações sobre a borda extrema combinado com o efeito atmosférico. O telescópio solar óptico a bordo do satélite Hinode permite-nos, pela primeira vez, de executar alta qualidade de observações da região profunda polar do Sol ( Figura A ).
Panorama da região magnético do Sol polar em setembro de 2007Figura: Panorama da região magnético da Sol polar em setembro 2007
FIGURA A-Panorama da região magnético do Sol polar em setembro de 2012Figura: Panorama da região polar magnética do Sol  em janeiro de 2012

Os resultados iniciais nos dão indicações de que há muitas áreas com um forte campo magnético nas regiões polares. A força do campo destas zonas é aquela  das manchas solares proximas, e seu tamanho é tão grande como as manchas solares, ou das regiões tais como aqueles de tamanho pequeno chamados de poro .

A equipe de pesquisa internacional liderada por Saku Tsuneta, professor de NAOJ, está realizando levantamentos mensais de Hinode polar desde setembro de 2008.  A equipe está relatando a descoberta de que o fluxo médio magnético da região polar norte está em declínio rápido e estável. A observação foi feita durante o período de 2008 a 2012 (Figura B) .

Figura B visão de perto do pólo norte solar de 70 ° -85 ° em 20 de setembro de 2008
Figura B visão de perto  do pólo norte de 70 ° -85 ° tomados em 09 de outubro de 2011

A inversão (a partir de negativa para polaridade positiva) é levada a cabo em sequência a partir das baixas latitudes para latitudes mais elevadas. O fluxo médio da região magnética polar torna-se, então, igual a zero. A conclusão estimada da reversão da região polar norte terá lugar em mais o menos um  mês , cerca de um ano antes da esperada reversãol.

Em contraste com a situação do pólo norte, o fluxo magnético da região polar sul tem sido muito estável, e mantém uma polaridade positiva ( Figura C ).

Figura  C: veduta do pólo sul, perto de 70 ° -85 °, tomada em 20 de março 2009
Figura  C: Veduta do pólo sul, perto de 70 ° -85 °, tomada em 24 de março 2011

Estas observações de Hinode sugerem que o campo magnético global do sol vai ser diferente da configuração bipolar normal.

Observações dos campos magnéticos polares são a chave para compreender a natureza cíclica do dínamo solar. Os resultados vão lançar luz sobre a origem do magnetismo solar, e contribuirá  muito para o nosso presente subestimadar os efeitos do Sol sobra as interações ambientais  terrestres. 

Fonte: http://hinode.nao.ac.jp/news/120419PressRelease/index_e.shtml

http://daltonsminima.altervista.org/?p=20471

 SAND-RIO

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: