O que fazer se houver um novo evento Carrington?

Isso não  é  um artigo alarmista como aqueles dos   nossos amigos fanaticos do aquecimento a qualquer custo,  não è um artigo a defesa da fim do mundo em dezembro 2012, mas considerando que a NASA lançou, há alguns meses, um alarme para uma possível forte tempestade solar  no início de 2013 (o período em que a NASA acha  será o máximo do ciclo 24),
Tentei informar-me do que aconteceu em 1859, quando  aconteceu o famoso evento Carrington, e que poderia acontecer agora, se um novo evento desse tipo ocorrer.
Eu disse que se, se, se … mas todos os físicos solares concordam em dizer que a questão não é se, mas quando  vai verificar um novo evento Carrington (quero lembrar que se fala de novo evento Carrington mas uma explosão solar pode ser mais forte daquela que aconteceu em 1851) , pode ser amanha, o próximo més, o próximo ano o próximo seculo ou o próximo milênio, NINGUÉM SABE OU PODE SABER QUANDO isso acontecerá. .. nem A NASA com tudo o seu dinheiro e  seus cientistas.
Um relatório especial financiado pela NASA e publicado menos de um ano atrás pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos (NAS), adverte para as consequências graves que podemos ter sobre a nossa civilização com a chegada de uma tempestade solar na Terra.  E isso , de acordo com o relatório, são as sociedades ocidentais que nas últimas décadas têm involuntariamente lançado as sementes de sua própria destruição.  “Estamos avançando cada vez mais perto da borda de um possível desastre”, diz Daniel Baker, um especialista em clima espacial na Universidade do Colorado em Boulder e chefe da NASA, do comitê que escreveu o relatório.
Quais são os sinais para nos avisar? 
 O céu de repente aparece como um manto decorado com uma grande variedade de luzes.  Não importa que não estamos perto do Pólo Norte, onde o auroras são comuns.  Pode ser Nova York, Roma e Pequim ou Rio de Janeiro.  Um efeito colateral de uma tempestade sobre as auroras podem estar mais próximas aos trópicos.  Após alguns segundos, as luzes começam a piscar, como se estivessem indo para queimar, e depois  por um breve momento, brilhando com uma intensidade incomum … e depois PUFFF.
Este é o desenho das manchas solares que o astronomo Carrington fiz em 01 de setembro de 1859 e que desencadeou a tempestade mais poderosa de energia solar dos tempos modernos.
A tempestade Carrington foi três vezes mais forte de aquele que destruiu os transformadores elétricos no Canadá em 13 março de 1989. (Foto abaixo)
As fotos de transformadores elétricos destruídos por uma tempestade solar em 1989.
Esta é a  imagem da tempestade solar de 14 de Julho de 2000 (Dia da Bastilha) e foi uma tempestade de classe X5.
Esta é imagem da tempestade solar do 28 de outubro de 2003, calculado como classe  X28, mas a NASA disse que quando ele era mais forte no seu pico foi calculado em classe X45. A tempestade aconteceu após 9 foguetes mais poderosos durante 2 semanas
Esta é a imagem de flare classe X9 de 5 de dezembro de 2006 que danificou o satélite Goes 13 e por 10 minutos  parou os satélites GPS
Quais as ferramentas que existem hoje para prever e observar o Sol? 
A NASA lançou em fevereiro de 2010 o Solar Dynamics Observatory (Solar Dynamics Observatory, SDO), uma sonda que é  em “missão sem precedentes” para fornecer aos cientistas dados sobre o comportamento mais extraordinários e desconhecidos do Sol. Por cinco anos a sonda, com telescópios extraordinários segue incansavelmente as manchas e as explosões solares.  Seu objetivo final é revelar, entre outros mistérios, como o campo magnético da nossa estrela afeta o resto do nosso sistema solar.
Os satélites americanos dão imagens estéreo do sol em três dimensões, e fornecem informações completas sobre as erupções solares nos próximos anos.

A tempestade solar de 1859 foi precedida pelo aparecimento de um grande grupo de manchas perto do equador solar.

Não tem um sistema de alarme para nos avisar a tempo?

Especialistas da NASA estão dizendo não. Atualmente, as melhores indicações de uma tempestade solar são aqueles provenientes do satélite ACE (Advanced Composition Explorer). A sonda, lançada em 1997, é em uma órbita solar e permanece sempre entre o Sol ea Terra. Isso significa que ela pode enviar dados de forma contínua na direção e velocidade dos ventos solares e de outras emissões de partículas carregadas que podem atingir o nosso planeta. O ACE, portanto, poderia alertar sobre a chegada iminente de um jato de plasma como a que atingiu a Terra em 1859, com um adiantamento de 15 a 45 minutos. E, em teoria, 15 minutos é o tempo necessário para preparar uma utilidade para uma situação de emergência. No entanto, o estudo dos dados obtidos durante o evento Carrington mostra que a ejeção de massa coronal de 1859 tem mais de 15 minutos para percorrer a distância de ACE para a Terra.

Quando isso pode acontecer? 

Segundo o relatório, poderia acontecer mais cedo do que imagina alguém. A “tempestade perfeita solar” poderia de fato ocorrer na primavera ou no outono de um ano com alta atividade solar. (e não é o ciclo 24 que é um ciclo muito fraco… mas ninguem pode saber)  E ‘nestes períodos, perto dos equinócios, quando seria mais prejudicial para nós, pois é quando a orientação do campo magnético da Terra (o escudo que nos protege dos ventos solares), é mais vulnerável ao bombardeio pelo plasma solar.

O céu de repente aparece como o manto adornado com uma ampla variedade de luzes.

A energia liberada pelo sol irá causar o aparecimento de auroras como a que ocorreu em 1859, quando as luzes do norte eram vistos no Caribe.

Quais seriam as conseqüências?

Um relatório da NASA, “Clima Espacial Eventos-adverso grave económica e social”,  indica que os sistemas elétricos, o GPS de navegação, o sistema de transporte aéreo, os sistemas financeiros e de comunicações de rádio de emergência seram interrompidos. O relatório destaca a existência de dois problemas fundamentais: o primeiro é que as redes de energia modernos, concebidos para funcionar com tensões muito elevadas ao longo de grandes áreas geográficas, são particularmente vulneráveis a tais tempestades do sol. O segundo problema é a interdependência deste sistema com os sistemas básicos que proporcionam nossas vidas, como abastecimento de água, tratamento de águas residuais, de alimentos e transporte de mercadorias, os mercados financeiros, rede de telecomunicações … Muitos aspectos cruciais de nossas vidas dependo-no dele e não funcionam sem o fornecimento de energia elétrica.

Sem água e sem transporte:

Ironicamente, o contrário do que acontece com a maioria dos desastres naturais, isso afetaria muito mais os países a alta tecnologia  e as sociedades mais afluentes, muito menos  teria consequências com os países que se encontram no processo de desenvolvimento .A primeira coisa seria a escassez de água potável. Pessoas que vivem em um cima dos edifícios  seriam os primeiros a ficar sem água porque as bombas responsáveis por levar água a partir da estrada nos andares superiores não iriam funcionar. Todos os outros seria mais um dia antes de ficar sem água, sem eletricidade, pois uma vez consumida a água “nos canos, seria impossível para bombeá-la a partir das fontes para os reservatórios. O transporte elétrico acabaria. Não haveria trens, não subterrâneas nem metrô , deixando milhões de pessoas imobilizadas estrangulando uma das principais rotas de entrega de alimentos e bens para as principais cidades. Hospitais de grande porte com seus geradores, poderiam continuar a servir por quase 72 horas. Depois disso, adeus à medicina moderna. E a situação não vai melhorar ainda mais durante meses, talvez anos, uma vez que os transformadores queimados não podem ser reparados, mas apenas substituídos por novos. E o número de processadores em reserva é muito limitada, bem como as equipes especiais que são responsáveis pela sua instalação, uma tarefa que leva cerca de uma semana do tempo de trabalho e  gasto intenso. Uma vez esvaliados os  estoques, você deve esperar até que os novos são fabricados e a fabricação de transformadores elétricos dura quase um ano inteiro.

 As primeiras vítimas de um novo evento Carrington  será o fim dos satélites artificiais e de rádio e televisão, GPS, telefones celulares etc etc
Sem aquecimento ou  arrefecimento, as pessoas começam a morrer dentro de poucos dias.

O relatório estima que o mesmo aconteceria com gás natural e dutos de combustível que precisam de eletricidade para funcionar. E quanto ao carvão eles queimam as reservas de combustível no prazo de trinta dias. Reservas, sendo paralisadas por falta de combustível para o transporte, não podem ser substituídos. E nenhuma central nuclear seria uma solução, porque eles são programadas para desligar-se automaticamente quando uma falha grave ocorre nas redes elétricas e não voltariam a trabalhar até que a energia for restaurada.

Com a ausência de aquecimento ou de arrefecimento, as pessoas começam a morrer em questão de dias. Entre as primeiras vítimas, todos aqueles cuja vida depende de cuidados médicos ou  fornecimento regular de substâncias como a insulina.

Existem precedentes?

Grelhas de nosso poder não são projetados para suportar tais ataques repentinos. E ninguém pode duvidar de que esses ataques ocorrem com alguma regularidade. Uma vez que somos capazes de realizar medições, a pior tempestade solar de todos os tempos ocorreu em 2 de setembro de 1859. Conhecido como “O evento Carrington” o astrônomo britânico que tem medido. Este evento causou o colapso das maiores redes globais de telégrafos. Houve que ate 9 dias após as tempestades solares, auroras foram observadas mesmo em latitudes equatoriais, o evento foi descrito como “a primeira vez que o homem percebeu que ele não estava sozinho no universo” e “o nascimento da “astronomia moderna.” Naquela época, a eletricidade estava apenas começando a ser usada, de modo que os efeitos da tempestade mal afetou a vida dos cidadãos. Mas são os danos inimagináveis que podem ocorrer em nosso modo de vida, se um evento como esse aconteceria hoje. Na verdade, de acordo com a análise da NASA, milhões de pessoas em todo o mundo não iriam sobreviver. Então em 1859 foi apenas um espetáculo único celestial, ou uma experiência mística, mas para os observadores, hoje, com nosso andaime elétrico seria uma tragédia.

15 minutos é o tempo necessário para preparar uma utilidade para uma situação de emergência, o tempo exacto que leva para ter o primeiro impacto do Sol
O gráfico mostra a vunerabilitá de transformadores eléctricos (círculos vermelhos) em os EUA de acordo com as simulações realizadas por especialistas.

O que podemos fazer, nos meros mortais, se tal coisa acontece?

É importante levar em conta diferentes cenários, tendo em conta que você não pode ter energia elétrica. Então, não há   luzes, sem calor, sem gás, sem comunicação, sem eletricidade para vários aparelhos sem ar condicionado e sem elevadores…. e não haverá comida ou água.  A partir daqui, devemos considerar a necessidade de comprar comida e água para sobreviver, pelo menos para o tempo que leva até o fim ser restauradas as linhas elétricas e os transformadores.
 Recomendações: 
. 1 – Esteja ciente do que acontece com a atividade solar (Space Weather and Space Center Previsão de Tempo)
.  2 -. Armazenar alimentos enlatados e alimentos enlatados que expiram após 2 a 3 anos, e depois ter reservas para vários meses.
3 -. Localize a água para tentar purificá-la.  Outra maneira é armazenar água da chuva em barris, especialmente se você mora fora da cidade.
4 -. busca de sistemas de energias alternativas (solar, eólica, gás butano, magnético, etc.)
.  5 -. Tenha em mente que haverá caos na cidade, e, em seguida, identifiquem os lugares do país onde há agricultura e  água das surgentes para ir lá e ficar até a normalização.
6 -. Dispor de meios de transporte como as bicicletas para o movimento, se as máquinas não funcionam.
7 -. Saber como proteger importantes caixas elétricas e grades criando subterrânea Faraday úteis até que a tempestade  passe.
 8 – equipar-se  com ferramentas básicas de sobrevivência…. e defesa pessoal….
Agradeço Hilton para o link de como construir uma gaiola Faraday
A primeira coisa que iria começar a falhar será a água potável.
A tempestade solar de 1859 foi a tempestade mais poderosa energia solar registrada na história moderna, provavelmente tem ocorridos  outras fortes tempestades solares no passado. A partir de 28 de agosto de 1859 auroras boreais  foram observadas no sul do Caribe, aumentando a sua intensidade 1 e 2 de Setembro. Ela foi precedida pelo aparecimento no sol de  um grande grupo de manchas solares perto do equador solar, em uma escala tão grande que você poderia ver a olho nu, com proteção adequada. O flash intenso de 1859,  lançou dois ejeções de massa coronal: o primeiro demorou entre 40 e 60 horas para chegar à Terra (tempo normal), enquanto o segundo, o sol saiu antes de preencher o vazio deixado pelo primeiro, demorou apenas cerca de 17 horas para chegar à Terra. Foi liberada uma grande quantidade de energia, que começou a perturbar as comunicações por telégrafo por um dia ou dois. Os registros de temperatura mostram cerca de 50 milhões de graus Kelvin. Com o impacto a magnetosfera da Terra, que é normalmente a cerca de 60.000 km da Terra, foi compactada para cerca de 7000, atingindo a estratosfera. Isso tem causado o desaparecimento temporário do cinturão de radiação de Van Allen, permitindo que um grande número de prótons e elétrons com energias de 30 milhões de elétron-volts para invadir a estratosfera causando a destruição do 5% do ozônio estratosférico, e levou cerca de 4 anos para recuperar o que foi perdido. A grande “chuva”  de nêutrons teria coberto a superfície da Terra, mas uma vez que naqueles tempos não havia detectores, esta chuva não foi registrada, e parece que não houve nenhuma conseqüência para a saúde humana.
Quero lembrar mais uma vez que NINGUÉM SABE O PODE SABER QUANDO ISSO PODE ACONTECER!!! Tomara que seja NUNCA!!!!
UPDATE: 
Falando em tempestade solar nesse momento (dia 7 março 2012) temos uma tempestade sempre na mancha solar 1429. No artigo em baixo já falei dessa mancha e da sua configuração Beta Gama, mas a mancha foi evoluindo e agora tem uma configuração Beta Gama Delta (BGD) a mais instavel e por isso até agora foram 3 flares o mais poderoso o primeiro de classe X 5.4 o segundo de classe X 1.3 e um terceiro que ainda não foi mesurado ma será sempre de classe 5 e pouco.
A mancha está agora proprio na frente do nosso planeta e por isso é esperado que o vento solar chegue até uma velocidade de 800 Km/s.
Naturalmente essa  tempestade não tem nada a ver com um evento Carrington desse artigo e que foi dezenas se não centenas de vez mais poderosa daquela de hoje.
Teremos nos proximos dias problemas nas telecomunicações e bonitas auroras boreais, nada mais, até o momento.
SAND-RIO

9 Comments

  1. Hilton
    Posted 6 março 2012 at 11:36 AM | Permalink

    http://www.feiradeciencias.com.br/sala11/11_47.asp
    Sand este é um endereço onde as pessoas que não sabem o que é uma gaiola de Faraday, podem ter uma noção deste recurso. Ha vários sites na rede, é só pesquisar.

  2. Antonio
    Posted 6 março 2012 at 6:51 PM | Permalink

    Há vários meses, cada vez mais pessoas estão alertando sobre a posição anômala da Lua em diversas fases do calendário lunar,imagem tirada desde Havana, Cuba, por Roberto Suarez em 25/02/2012 está em forma de U, e não da forma em D.”Há três luas, ou três meses, que se observa a lua assim. Começa em crescente em forma de “U” e não em “D”, como era habitual até agora, e conforme passam os dias e aumenta a crescente, ou seja, a parte do disco lunar visível iluminada, vai se colocando dia a dia em sua posição “normal” (até agora) em “D” e até a lua cheia.” Seria como, efetivamente, se estivesse oscilando por causa de alguma “força desconhecida”.Nutação (do latím “nutare”, cabecear ou oscilar)É um movimento ligeiro e irregular, e isso foi detectado em outros planetas, inclusive a NASA já detectou que Vênus está mais lento na sua rotação. Será que está acontecendo a mesma coisa com a terra?A obliquidade em 2011 foi de 23° 26′ 16″ (23.4377º).1 . Em 1907 foi exatamente de 23° 27′. Ou seja, está diminuindo atualmente na razão de 0.47″ por ano, devido ao movimento terrestre denominado nutação.”O astrônomo aficionado ALOEUSS, informou como mediante a OBSERVAÇÂO, imprescindível para ser medianamente científico, detectou que a Lua reduziu também seu ritmo de rotação. A Lua CHEIA têm agora duração de 4 dias ao invés de 3.”O pior que ninguém percebeu? Algo acontece com nosso sistema solar.

  3. Antonio
    Posted 6 março 2012 at 8:13 PM | Permalink

    Bem continuando, o Sol últimamente também anda estranho, apesar de estar em mínimo e com poucas e pequenas manchas solares, essas que sobraram estão sempre lançando CMES, e o sol ainda está soltando filamentos de plasma no espaço de vez por outra isso acontece, alguma relação com o que está acontecendo com os outros planetas incluindo a lua?

  4. Antonio
    Posted 7 março 2012 at 8:47 PM | Permalink

    CME durante o meio de amanhã (8 de março)vamos ve o que vai acontecer. “The solar wind is expected to increase to over 800 km/s and Strong Geomagnetic Storming will be possible”. O vento solar é esperado um aumento de mais de 800 Geomagnetic km / s e forte Atacando será possível. “This plasma cloud is the result of the X5.4 and X1.3 Solar Flare event very early this morning”. Esta nuvem de plasma é o resultado do evento flare X5.4 e x1.3 Solar muito cedo esta manhã. “In the new movie below, you can see that the plasma cloud is Full-Halo and heading this way”. No novo filme abaixo, você pode ver que a nuvem de plasma é Halo-completo e título desta forma. Atenção o sol novamente se agita a mancha 1429 e 1428 estão a crescer. Sand, você está acompanhando o caso, será que dessa vez isso gerará apagão em algum lugar? Artigo tirado dO RELATÓRIO DA NOOA.

    • Posted 7 março 2012 at 11:55 PM | Permalink

      Falei dessa CME no update do artigo evento Carrington. Não são esperados black out satellitares nem outras formas de problemas. Só, como sempre, os radioamadores terão algum problema e belas auroras boreais são esperadas. Um Flare de classe X5.4 e como um esqueiro paragonado a uma grande fogueira do evento Carrington

  5. Posted 1 junho 2012 at 12:47 PM | Permalink

    Prezados Senhores, Bom Dia!

    Existe realmente o cinturão de fótons? O Sol junto com nosso planeta estão se aproximando e sua maior aproximação (periélio) será no Dia 21 de Dezembro de 2012? centro da via láctea. Teremos mais luz em nosso planeta? Isso tudo são apenas especulações? ou temos que fazer atenção pois estamos realmente se aproximando do marco zero?

  6. Erich
    Posted 8 janeiro 2013 at 1:36 AM | Permalink

    07/01/2013. Veja quem é o causador da tormenta solar… https://www.youtube.com/watch?v=Myvlif6IMJg


One Trackback

  1. […] tempestade solar de 1859 é conhecida como Evento Carrington. A principal tecnologia de comunicação na época, o telégrafo, teve sua rede afetada em todos os […]

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: