Novo relatório sobre aquecimento global contradiz IPCC da ONU

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), já sob severas críticas por violar os requisitos acadêmicos de revisão e confiar em fontes secundárias, está sendo atacado novamente em um novo relatório co-produzido por três organizações de pesquisa sem fins lucrativos.

De acordo com o novo relatório, “causas naturais são muito provavelmente as principais” causas das mudanças climáticas que ocorreram no século XX e no início do século XXI. “Não estamos dizendo que gases de efeito estufa antropogênicos (GEEA) não podem produzir algum aquecimento, ou que não o fizeram no passado. Nossa conclusão é que as evidências mostram que eles não estão desempenhando um papel substancial”.

Os autores do novo relatório dizem que “o efeito resultante do aquecimento e do aumento nas concentrações de dióxido de carbono na atmosfera é mais provável que seja benéfico para os seres humanos, as plantas e os animais selvagens”.

Ambas as conclusões contradizem as conclusões dos relatórios amplamente citado do IPCC.

O relatório foi produzido pelo Instituto Heartland, pelo Centro para Estudos do Dióxido de Carbono e Mudanças Globais, e pelo Projeto Ciência e Políticas Ambientais (SEPP, em inglês), três organizações norte americanas sem fins lucrativos, com sedes em Chicago (Illinois), Tempe (Arizona) e Arlington (Virginia), respectivamente.

O relatório, de 430 páginas, tem como co-autores e foi editado por três pesquisadores das ciências do clima: Craig D. Idso, Ph.D., editor da revista on-line CO2 Science e autor de vários livros e artigos científicos sobre os efeitos do dióxido de carbono em plantas e na vida animal; Robert M. Carter, Ph.D., geólogo marinho e professor de pesquisa da Universidade James Cook em Queensland, Austrália; e S. Fred Singer, Ph.D., físico atmosférico eminente e primeiro diretor do Serviço Meteorológico por Satélites dos EUA. Outros sete cientistas e um especialista em políticas de crescimento sustentável efetuaram contribuições adicionais.

O relatório é intitulado “Mudanças Climáticas Reconsideradas: Relatório Parcial 2011” porque precede um volume global que se espera que seja lançado em 2013. Concentra-se nas pesquisas científicas lançadas desde a publicação de “Mudanças Climáticas Reconsideradas: O Relatório de 2009 do Painel Internacional Não-Governamental sobre Mudanças Climáticas (NIPCC)”.

Conforme descrito no resumo executivo desse relatório, suas principais conclusões são:

• “Nós encontramos evidências de que os modelos superestimam o aquecimento que ocorreu durante o século XX e não conseguem incorporar processos químicos e biológicos que podem ser tão importantes quanto os processos físicos utilizados nos modelos”.

• “Mais CO2 promove o maior crescimento de plantas, tanto em terra quanto em todas as águas superficiais e oceanos do mundo, e este vasto conjunto de vida vegetal tem a capacidade de afetar o clima da Terra de diversas maneiras, quase todas elas tendendo a neutralizar os efeitos do aquecimento causado CO2 por forçamento térmico radiativo”.

• “As últimas pesquisas sobre paleoclimatologia e temperaturas recentes encontra novas evidências de que o Período Quente Medieval, há aproximadamente 1.000 anos atrás, quando havia cerca de 28% menos CO2 na atmosfera do que existe atualmente, foi tanto global quanto mais quente que o mundo de hoje”.

• “Novas pesquisas encontram menos derretimento do gelo no Ártico, na Antártida e no topo de montanhas que se pensava, e nenhum sinal de aceleração da subida do nível do mar nas últimas décadas, nenhuma tendência ao longo dos últimos 50 anos em mudanças para a Circulação do Atlântico Meridional, e nenhuma alteração nos padrões de precipitação ou de fluxos de rio que poderia ser atribuído ao aumento dos níveis de CO2″.

• “Os anfíbios, pássaros, borboletas e outros insetos, lagartos, mamíferos, e até mesmo os vermes, se beneficiam do aquecimento global e suas miríades de efeitos ecológicos”.

• “A elevação das temperaturas e das concentrações atmosféricas de CO2, pelo aumento da produtividade da agricultura, irá desempenhar um papel importante na prevenção da fome e da destruição ecológica no futuro”.

• “As últimas pesquisas sugerem que os corais e outras formas de vida aquática têm eficazes respostas adaptativas às mudanças climáticas, o que lhes permite prosperar, apesar ou mesmo por causa da mudança climática”.

• “O aquecimento global é mais provável que melhore ao invés de prejudicar a saúde humana, porque a elevação das temperaturas leva a uma maior redução de mortes no inverno do que o aumento de mortes causadas por essa elevação no verão”.

• “Mesmo nos piores cenários, a humanidade será muito melhor em 2100 do que é hoje e, portanto, capaz de se adaptar a quaisquer que sejam os desafios apresentados pelas mudanças climáticas”.

post acima é uma tradução livre do press release sobre o referido relatório. Para ver o original, clique aqui

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: