La Nina está de volta….

A NOAA emitiu um comunicado de imprensa em 08 de setembro: Climate Prediction Center da NOAA: La Nina está de volta . Não realmente uma boa notícia. Um novo rumo para o lado negativo do índice território ENSO certamente terá seus efeitos. Primeira irá fornecer mais combustível para a temporada de furacões no Atlântico. Este talvez para agradar a quem já havia emitido em maio prevendo uma temporada “acima do normal” em termos de intensidade e freqüência destes eventos, mas certamente não será aceitável para aqueles que vivem no Caribe e na costa leste do EUA.

Em seguida, seguem um alto risco de chuvas torrenciais na Austrália Oriental espero violentamente diferente daquele do ano passado. Também será confirmada durante a seca no centro dos Estados Unidos.Tudo isso, com a compreensão e muito menos, prognóstico que somar todos os outros eventos que acompanham teleconexões resfriamento do Pacífico equatorial, incluindo a possibilidade de um inverno duro do que para o espaço europeu.

Assim, enquanto o tempo e clima sazonal continuam a ir sobre seu negócio, mais uma quebra de recorde por um tempo duvidoso, agora prognóstico verdadeiramente incompreensível de um retorno bramido do El Niño, ou o calor, ou o aquecimento global ou o desastre climático que James Hansen, diretor do conjunto de dados das temperaturas globais de superfície da NASA (GISS), tinha exteriorizado em março :

“Com base nas temperaturas sub-superfície do oceano, a maneira como eles evoluíram no passado recente, e em analogia com o desenvolvimento de episódios anteriores de El Niño, acreditamos que o sistema está evoluindo para um forte El Niño para começar neste verão[o que acaba de terminar, por assim dizer] . Não tenho certeza, mas provavelmente. “

Não tem problema, todas as previsões podem estar erradas. Exceto, é claro, os derrotados em um clima de cem anos.

Ninguem dos fanáticos do aquecimento global acreditava em uma Niña forte em 2011 e mais ainda ninguém acreditava em  uma Niña em 2012… dois anos seguidos de resfriamento da parte mais importante dos oceanos para o clima mundial. Um evento de 2 anos de Niña é um evento raríssimo ainda mais quando temos o AGW. Mas a fase de minima do Sol nos anos de 2009/2010/e inicio 2011, com uma maior cobertura das nuvens causado pela maior influencia dos raios cosmicos (Come explicado nos artigos antecedentes e no experimento CLOUD)  é clarificador da influencia do SOL  pela Niña e Niño e  em seguida pelo clima mundial!

È O SOL QUE MANDA NO CLIMA DA TERRA E NÃO O POBRE HOMEM QUE SE ACHA IMPORTANTE!!!

One Comment

  1. Francisco Gomes
    Posted 15 setembro 2011 at 12:58 AM | Permalink

    É vamos ter recordes de frio ainda esse ano.


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: