INUNDAÇÕES NO BRASIL… AGW OU NATURAL?

Post convidado por Alexandre Aguiar, Diretor de Comunicações MetSul, Brasil

(Note que há muito mais aqui no blog da MetSul)

Cadáveres ainda estão sob toneladas de rochas e lama nas montanhas do Rio de Janeiro, mas alguns especialistas já estão correndo para os microfones aqui no Brasil e no exterior para declarar o pior desastre natural na história brasileira como uma prova clara e inequívoca do aquecimento global (aka perturbação climática global).


A mídia brasileira não é imune ao frenesi sobre aquecimento global e eventos meteorológicos extremos. O jornal Folha de São Paulo, um dos mais importantes meios de comunicação no país, publicou um relatório conectando o desastre do Rio de Janeiro para as  inundações no Queenslan  na Austrália e as recentes tempestades de neve nos Estados Unidos e Europa Ocidental.

Para estabelecer a catástrofe em curso no Brasil como um produto de aquecimento global é uma alegação falsa no modo de exibição do pessoal da MetSul Meteorologia. O mesmo pode ser dito para os eventos de snapshots de frio e neve no hemisfério norte – forte oscilação Ártico negativos relacionados – e a inundação maciça na Austrália, que um resultado direto do forte e natural derivado evento de La Niña.

Rio de Janeiro está sujeita a chuvas pesadas ou extrema todos os anos, mas desta vez que a quantidade de chuva era muito pesada e em um curto período de tempo, criando uma torrente de tsunami-como interior. O risco de chuva extrema principais episódios este Verão foi amplamente previsto pela MetSul meteorologistas como anos analógicos fortemente apontado para um verão semelhante com eventos desastrosos no passado. Medidores de chuva em Nova Friburgo medido 300 milímetros (12 polegadas) de chuva em apenas 24 horas a partir de 11 de Janeiro para 12. A tragédia aconteceu em serras do Rio de Janeiro (Região Serrana) onde grandes forçando topográficos é normalmente presente na chuva extrema. Fluxo de umidade do oceano (SSTs estão acima da média no Atlântico Sul) encontrar uma barreira física natural nas montanhas do Rio de Janeiro, tornando a região propensa a extrema chuvas durante o verão meses Outono e no início.

As cidades mais afetadas (Petrópolis, Teresópolis e Nova Fribrugo) estão localizadas entre montanhas tão altas como 5 a 6 mil pés e além de rios atravessam essas cidades. A única maneira que a água pode ter são os vales e rios regionais. Devido ao terreno regional, a principal ameaça para a população é esmagadora. Por muitas décadas as autoridades brasileiras permitiram construção de casas e edifícios em encostas, assim todos os deslizamentos de terra único ano com inúmeras mortes são registadas nos Estados do Rio de Janeiro, são Paulo e Minas Gerais.

A primeira página do Jornal Extra do Rio de Janeiro (clique sobre a imagem para uma visão mais ampla) publicado em 13 de Janeiro mostrou que todos os anos na última década testemunharam tragédias provocadas pela chuva no estado do Rio de Janeiro. A manchete do Jornal é “Até quando”? (Quando ele terminará?). O livro argumenta: “A desculpa do governo é sempre o mesmo… choveu um equivalente a…”. A opinião dominante na mídia brasileira e no povo é que essas tragédias repetidas devem ser atribuídas sobretudo à má gestão e planeamento urbano ridículo em vez de culpar apenas a natureza. Apesar de reconhecer a ferocidade da chuva, muitos estão chamando tragédia esta semana um catástrofes provocadas pelo homem.

No estado do Rio de Janeiro, há grande ocupação de encostas e morros, assim deslizamentos de terra tendem a ser muito mais devastador e tragédias muito mais freqüentes. Se as chuvas desta semana tem acontecido na mesma região há 35 anos, as consequências teria sido incrivelmente menos dramáticas. Imagens de satélite lançado pelo show de rede Global de TV brasileira claramente algumas das áreas de risco que se concentram a maioria das vítimas (Caleme, Posse e Meudon) tão densamente povoadas hoje em dia em contraste com baixa ou nenhuma ocupação há 35 anos.

Existem contas anedóticas e históricas de extrema precipitação no estado do Rio de Janeiro desde que o Brasil era uma colônia portuguesa em 1600 e 1700 ‘ s, mas registros meteorológicos não estão disponíveis para esse período. Grandes tragédias causadas por chuvas e deslizamentos de terra no Rio de Janeiro começaram principalmente na segunda metade do século XX, coincidindo com a explosão demográfica e a ocupação desorganizada e maciça das colinas. As áreas de risco de hoje, onde as tragédias de tempos modernos usam para acontecer quase todos os anos, não foram ocupadas 100 anos atrás e por esse motivo que a grande maioria dos trágicos acontecimentos concentrar-se nos últimos 50 anos.

Abril de 1756 -três dias de chuvas causarom inundações,  colapsos de casas e “muitas vítimas”  em toda a cidade – ainda pequena – do Rio de Janeiro.
Fevereiro de 1811 – entre 10 de Fevereiro e 17 fortes chuvas causaram uma “catástrofe” na cidade do Rio de Janeiro. Colinas entrarom em colapso, a cidade foi inundada de agua e deslizamentos de terra foram generalizados com uma torrente de água e lama invadindo a cidade. Relatos históricos falam de muitas vítimas, mas não há nenhum número oficial. O príncipe regente – designado por Portugal – ordenou que as igrejas para ser abertas para servir como abrigos.

De abril de 1883 -onze centímetros de chuva (220 mm) em quese de quatro horas provocou a  inundação da cidade do Rio de Janeiro.

De abril de 1924 -pesados enchentes e deslizamentos de terra com vítimas mortais.
De Janeiro de 1940 – inundações e deslizamentos de terra na cidade do Rio de Janeiro. Distrito de Santo Cristo foi o mais afetado.

De Janeiro de 1942 -inundações e deslizamentos de terra na cidade do Rio de Janeiro. O Morro do Salgueiro foi a principal área de desastre.

De Janeiro de 1962 -pesados enchentes e varios deslizamentos de terra na cidade do Rio de Janeiro, depois de 242 mm de precipitação durante uma tempestade.
De Janeiro de 1966 -A tempestade de 2 de Janeiro de 1966, trouxe chuvas recorde para a cidade do Rio de Janeiro. Enchentes e maciços deslizamentos de terra causaram 250 vítimas. Outras 70 pessoas morreram após a tempestade devido a doenças.

De Janeiro de 1967 – chuvas e deslizamentos de terra provocou o colapso de edifícios na cidade do Rio de Janeiro. 200 pessoas morreram e 300 ficaram feridas. 300 pessoas morreram nos Estados do Rio de Janeiro e Guanabara (hoje Guanabara e Rio formam o estado do Rio de Janeiro).

De novembro de 1981 – deslizamentos de terra na Serra do Rio matam 20 pessoas na cidade de Teresopolis.
De fevereiro de 1987 -inundações e deslizamentos de terra matam 292 pessoas. A cidade do Rio de Janeiro e as Serras do Estado concentram os danos e vítimas.
De fevereiro de 1988 – 277 pessoas morridas em inundações e deslizamentos de terra na região da Baixada Fluminense e na cidade de Petrópolis, nas serras. O resto do mês centenas mais morridos em novos deslizamentos de terra e inundações. Um hospital desmoronou, matando 18 pessoas. Danos superam 1 bilhão de dólares.

Verão de 1996 -dezenas de mortos em inundações e deslizamentos de terra.
De Janeiro de 1999 -dezenas de mortos em inundações e deslizamentos de terra.
2010 – Cerca de 100 pessoas morreram nas cidades de Angra dos Reis e Rio de Janeiro devido aos deslizamentos de terra em 1º de Janeiro. Em Abril, registro chuvas causaram mais de 200 mortos em deslizamentos de terra maciços nas cidades do Rio e a cidade vizinha de Niterói.

Acontecimentos trágicos aconteceráo novamente no futuro, mas pode ser menos dramáticos com alguns passos urgentes e sérios: melhoria do gerenciamento de riscos,  reorganização urbana, investimentos em previsão meteorológica e monitoramento de equipamentos e pessoal, uma nova abordagem de mídia a importância dos avisos de tempo e uma boa governação pública.  A história prova dessas áreas vão bater novamente, mas nós, como sociedade têm o poder de atenuar as consequências. É uma questão de grave e urgente prioridade pública para nossas autoridades e a vontade da população.

Autor: Alexandre Amaral de Aguiar.

Anúncios

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: