Agora podemos ver pela primera vez todo o SOL.

article image

Odia  6 de fevereiro de 2011. as 2 naves espaciais da NASA Estereo  verám todo o sol! Isso marcará uma etapa fundamental para as observações solares. Em 6 de Fevereiro, as  dois naves espaciais estéreo  serám a 180 graus de separação e para os próximos 8 anos. Os satelites  estéreo e o satelite SDO poderão observar todo o SOL a 360 graus. crédito: NASA. Assista a cool estéreo todo Sun Preview Video abaixo. Além de lançar vídeo e muito mais.

“Pela primeira vez na história a humanidade será capaz de ver a frente e o lado distante do sol… Simultaneamente,”Madhulika Guhathakurta disse hoje  o cientista do programa estéreo NASA HQ.

“Esta será a primeira vez que podemos ver todo o sol ao mesmo tempo,” disse hoje Dean Pesnell,  astrofísico Solar da NASA  em uma entrevista para o universo. Pesnell é o cientista de projeto Solar Dynamics Observatório da NASA no centro de vôos espaciais de Goddard da NASA em Greenbelt, MD.

Este marco notável será alcançado quando duas naves estéreo da NASA alcançaram a posição a 180 graus separados em lados opostos do sol no domingo, 6 de fevereiro de 2011 e podemos observar os todo 360 graus do sol.

YouTube – NASA | ESTÉREO Teaser de Sun360

As naves estéreos quase idênticas: estéreo em frente e estéreo para trás – é orbitam o sol e fornecendo uma visão mais completa do ambiente do sol  cada dia que passa. Uma sonda segue terra em torno do sol. o outro um leva a terra.

ESTÉREO é a sigla para Solar terrestre relações Observatório. Sua missão primaria é fornecer  imagens em “estéreo” 3D do sol para estudar a natureza das ejeções de massas coronais (ECM).

Hoje, (30 de Jan) a nave estéreo 2 é a 179.1 graus de separação e cerca de 90 graus da terra e, portanto, praticamente no ponto médio para a volta do sol. Veja os gráficos orbital local acima e abaixo.

As duas sondas foram lançadas  no espaço há quatro anos   e desde então a cunha de território solar invisível tem vindo a diminuir.

Como os testes estéreo continuam voando ao redor da parte traseira do sol, a cunha de território solar invisível do lado próximo vai aumentar e a sonda solar SDO desempenhará um papel vital para o   enchimento da lacuna.

O satelite SDO fornece a vista frontal do sol com detalhes requintados e resolução de tempo muito rápido, e para os próximos 8 anos, quando combinado com dados SDO, a esfera total solar ainda será visível.

Image Attachment

Todo o SOL vai ser simultaneamente fotografado pela primeira vez já no  6 de Fevereiro. Nos últimos 4 anos, as dois  naves estéreo  foram se afastando da terra e ganhando uma imagem mais completa do sol. Em 9 de fevereiro de 2011, a NASA vai realizar uma conferência de imprensa para revelar pela primeira vez as imagens de todo o sol e discutir a importância de ver toda a nossa estrela dinâmica. Crédito: NASA

As sondas solares foram lançadas juntos a bordo de um foguete Delta II de lançamento complexo 17B em Cabo Canaveral Air Force estação (CCAFS) na Flórida em 25 de outubro de 2006. Veja vídeo de lançamento e fotos abaixo.

Ver toda a esfera  Solar  será uma mina de ouro para a ciência

Até agora sempre houve uma parte invisível do sol, embora a parte invisível sempre tem girado em vista dentro de uma semana ou duas, um modelo global deve incluir todo o sol para entender onde o campo magnético passa por a superfície.

Também, da terra podemos ver apenas um pólo do sol ao mesmo tempo, enquanto com o estéreo podemos ver ambos os pólos, ao mesmo tempo.

Os próximos anos de sobreposição de imagens coronais será uma mina de ouro de informações para prever condições de espaço na terra e entender como funciona o sol. É como obter imagens da terra inteira pela primeira vez. Ainda não perdemos um furacão  e agora nós não vamos perder uma região ativa sobre o sol, será uma vigilancia a 360° graus.

Como os ciência os dados recolhidos vão ser usados para compreender o sol e seu campo magnético?

Agora poderemos ver os loops coronais e a tracas fora do campo magnetico da coroa solar, teremos noções basicas de como muda esse campo magnetico  e como cada loop inicia, muda e pára.

Clique em fonte para ler o relatório completo de Ken Kremer

Link de origem: universetoday.com
SAND-RIO

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: