Aquecimento global para principiantes.

Artigo do Dr. Roy Spencer
my-global-warming-skepticism-for-dummies
www.drroyspencer.com

Recebo muitos e-mails, e uma queixa recorrente é que muitos dos meus posts são demasiado técnicos para serem entendidos. Esta manhã chegou um com o título “Por favor, fale conosco”, e sugeriu que eu fornecesse explicações curtas, concisas e resumos facilmente compreensíveis para principiantes.

Então, aqui vai uma lista de perguntas simples sobre as mudanças climáticas e breves respostas baseadas no que eu sei hoje. Eu posso atualizá-las, na medida em que receber sugestões e comentários. Além disso, posso adicionar links para outras fontes e alguns recursos visuais, quando apropriado.

Algo me diz que eu poderia ter feito isso antes, mas estou com preguiça de voltar e ver. Então, eu vou começar do zero.🙂

É importante compreender desde o início que aqueles de nós que são céticos em relação à influência da humanidade sobre o clima tem uma grande variedade de pontos de vista sobre o assunto, e não podemos estar todos certos. Na verdade, neste negócio, é muito fácil estar errado. Parece que todo mundo tem uma teoria sobre as causas das mudanças climáticas. Mas parece que só um de nós tem razão sobre o colapso do castelo de cartas do aquecimento global antropogênico do IPCC.

Como eu gosto de dizer, fazer medições do sistema climático é muito mais fácil do que descobrir o que essas medidas significam em termos de causa e efeito. De um modo geral, não é o aquecimento que está em disputa… e sim a causa do aquecimento global.

Se você não concordar com a minha opinião sobre algo, por favor, não me escreva. Há grandes chances de que eu já tenha ouvido o seu ponto de vista e muito raramente aparece alguém com novos elementos de prova além dos que eu já considerei.

1. As temperaturas globais estão subindo agora? Não há nenhuma maneira de saber, até porque a variabilidade natural de ano para ano na temperatura global é tão grande que aquecimentos e resfriamentos ocorrem o tempo todo. O que podemos dizer é que as temperaturas da superfície e da parte mais baixa da atmosfera têm aumentado nos últimos 30-50 anos, e que a maior parte do aquecimento ocorreu no Hemisfério Norte. Além disso, a magnitude do aquecimento recente é um pouco incerta, devido a problemas em se fazer medições da temperatura em longo prazo com termômetros, sem que essas medidas sejam corrompidas por uma variedade de efeitos não climáticos. Mas não há nenhuma maneira de saber se as temperaturas continuam a subir agora… nós só vemos o aquecimento (ou o resfriamento) no espelho retrovisor, quando olhamos para trás no tempo.

2. Por que alguns cientistas dizem que é o arrefecimento, enquanto outros dizem que é o aquecimento que está acelerando? Faz tempo que, de ano para ano (e mesmo de década para década), ocorre variabilidade das temperaturas médias globais. Se elas tem aumentado ou diminuído, depende de quão longe você olha para trás no tempo. Por exemplo, ao longo dos últimos 100 anos, houve um aquecimento global que foi mais forte no final do século 20. É por isso que alguns dizem que “o aquecimento está acelerando”. Mas se olharmos para um prazo mais curto, o período mais recente de tempo, digamos desde o ano recorde quente de 1998, pode-se dizer que esfriou nos últimos 10-12 anos. Como eu mencionei acima, nenhum destes pode nos dizer nada sobre se o aquecimento está acontecendo agora, ou se vai acontecer no futuro.

3. As temperaturas globais já não subiram antes? Sim. No longo prazo, dizem que há centenas e há milhares de anos, existem consideráveis evidências indiretas (não de termômetros) de que ocorreram aquecimentos e arrefecimentos. Como a humanidade não pode ter sido a responsável por estes eventos iniciais, essa é uma evidência de que a natureza pode causar aquecimentos e arrefecimentos. Se for esse o caso, em seguida, abre-se a possibilidade de que parte do aquecimento nos últimos 50 anos ter sido natural, também. Embora muitos geólogos gostem de apontar para mudanças de temperatura muito maiores que se acredita teriam ocorrido ao longo de milhões de anos, não estou convencido de que isto não nos diga nada de útil para a compreensão de como os seres humanos podem influenciar o clima em escalas de tempo de 1-10 anos.

4. Mas o gráfico do “taco de hockey” mostra um aquecimento recente sem precedente, ou não? Reconstruções das variações de temperatura ao longo dos últimos 1 a 2 mil anos, como o gráfico do “taco de hockey”, têm sido uma enorme fonte de controvérsia. O “taco de hóquei” foi usado anteriormente pelo IPCC como um verdadeiro garoto-propaganda para o aquecimento antropogênico, uma vez que parecia indicar que não houve mudanças significativas de temperatura nos últimos 1.000 a 2.000 anos, até que os humanos entraram no século 20. As várias versões do “taco de hóquei” foram baseadas em quantidades limitadas de medições indiretas correlacionadas às temperaturas – principalmente os anéis de crescimento de árvores – e envolveu questionáveis métodos estatísticos. Ao contrário, acho que a maior parte das provas indiretas suporta a ideia de que estamos em um período quase tão quente quanto o Período Medieval Quente, cerca de 1000 dC. O próprio fato de que os dados recentes dos anéis de árvores erroneamente sugerem um resfriamento nos últimos 50 anos, quando na verdade tem havido um aquecimento, deveria ser uma advertência sobre o uso de dados de anéis de árvores para descobrir quão quente foi o clima há 1.000 anos. Mas, sem dados reais de termômetros, nunca saberemos com certeza.

5. O derretimento de gelo do Oceano Ártico não é evidência de aquecimento? De aquecimento, sim… de aquecimento causado pelo homem, não. O gelo do Ártico derrete naturalmente todos os verões e um pico de derretimento foi observado em 2007. Mas nós temos medidas por satélite relativamente precisas sobre o gelo no mar do Ártico (e em volta da Antártida) apenas desde 1979. É inteiramente possível que a cobertura de gelo do mar Ártico no final do verão tenha sido tão baixa quanto nas décadas de 1920 ou 1930, um período em que os dados de termômetros no Ártico sugerem que ele era tão quente quanto hoje. Infelizmente, não há nenhuma maneira de saber, porque não tínhamos satélites mais para trás. Curiosamente, o gelo do mar da Antártida tem crescido quase tão rápido quanto o gelo Ártico foi derretendo ao longo dos últimos 30 anos.

6. E sobre o nível do mar? Devo confessar, eu não prestei muita atenção à questão do nível do mar. Posso dizer que, na medida em que ocorre o aquecimento, pode-se esperar que isso também ocasione uma elevação do nível do mar até certo ponto. O aumento é em parte devido à expansão térmica da água e em parte devido ao derretimento de gelo sobre a Terra (Groenlândia, Antártida e glaciares). Mas isso não diz nada sobre se os seres humanos são a causa desse aquecimento ou não. Como há provas de que o recuo dos glaciares e o aumento do nível do mar começaram bem antes que os seres humanos pudessem ser os culpados, é o nexo de causalidade – uma vez mais – uma grande fonte de incerteza.

7. O aumento de CO2 é capaz de causar aquecimento? Há algumas pessoas muito inteligentes por aí que afirmam que a adição de dióxido de carbono na atmosfera não pode causar aquecimento de qualquer maneira. Eles afirmam coisas como “bandas de absorção atmosférica de CO2 que já estão saturadas”, ou qualquer outra coisa muito técnica. [E para aquelas pessoas tecnicamente mais dotadas, sim, eu concordo que a temperatura efetiva radiante da Terra no infravermelho é determinada pela quantidade de luz solar que é absorvida pela Terra. Mas isso não significa que a baixa atmosfera pode se aquecer pela adição de mais gases de efeito estufa, porque ao mesmo tempo, eles também esfriam a atmosfera superior]. Embora seja verdade que a maior parte do aquecimento do CO2 causado na atmosfera já estava lá antes dos seres humanos começarem a queimar o carvão ou usar SUVs, tudo isso é levado em conta pelos modelos climáticos computadorizados que prevêem o aquecimento global. Adicionando mais “deve” causar o aquecimento, com a magnitude de que o aquecimento é a causa real. Mas ainda estou aberto à possibilidade de que um grande erro foi feito sobre este ponto fundamental. Coisas estranhas já aconteceram na ciência antes.

8. O CO2 atmosférico está aumentando? Sim, e mais fortemente nos últimos 50 anos… é por isso que a maioria dos “pesquisares” do clima pensam que o aumento de CO2 é a causa do aquecimento global. Nossas medições do aumento do CO2 relacionados com o clima em todo o mundo são possivelmente as mais precisas em longo prazo disponíveis.

9. Os seres humanos são responsáveis pelo aumento de CO2? Embora haja no curto prazo (ano a ano) flutuações na concentração de CO2 atmosférico devido a causas naturais, em especial El Niño e La Niña, atualmente eu acredito que a maior parte do aumento de longo prazo é, provavelmente, devido ao nosso uso de combustíveis fósseis. Mas o que eu posso dizer sobre a suposta “prova” de que os seres humanos são a fonte de aumento de CO2 – uma mudança na concentração atmosférica dos isótopos de carbono C13 – também seria coerente com uma fonte natural, biológico. O nível de CO2 atmosférico atual é de cerca de 390 partes por milhão por volume, a partir de um nível pré-industrial, estimado em cerca de 270 ppm… talvez menos. Os níveis de CO2 podem ser muito maiores nas cidades e nos edifícios com as pessoas neles.

10. Mas não são naturais emissões de CO2 cerca de 20 vezes maiores que as emissões do homem? Sim, mas acredita-se que a natureza absorva CO2 aproximadamente na mesma proporção em que produz. Você pode pensar no reservatório de CO2 atmosférico como sendo um recipiente de água gigante, com a natureza bombeando em um fluxo constante no fundo do recipiente (atmosfera) em alguns lugares, sugando a mesma quantidade em outros lugares, e em seguida seres humanos causando um constante pinga-pinga dentro do recipiente. Significativamente, cerca de 50% do que produzimos é sugado para fora da atmosfera pela natureza, principalmente através da fotossíntese. A natureza ama o CO2. O CO2 é o elixir da vida na Terra. Você nem imagina os uivos de protesto que teríamos se estivéssemos destruindo CO2 atmosférico, ao invés de criar mais do mesmo.

11. Está aumentando o CO2 como causa do aquecimento recente? Embora isso seja teoricamente possível, eu acho que é mais provável que o aquecimento seja mais natural. Pelo menos, não temos maneira de determinar qual a proporção é natural e qual é causada pelo homem.

12. Por que a maioria dos cientistas acredita que CO2 é responsável pelo aquecimento? Porque (como me disseram) não podem pensar em outra coisa que possa ter sido a causa. Significativamente, não é que não há provas de que a natureza não pode ser a causa, mas a falta de medidas suficientemente precisas para determinar se a natureza é ou não a causa. Esta é uma distinção muito importante, e os formuladores de políticas públicas têm sido induzidos a erro pelo IPCC.

13. Se não são os seres humanos, o que poderia ter causado o aquecimento recente? Esta é uma das minhas áreas de investigação. Acredito que as mudanças naturais na quantidade de luz solar que vem sendo absorvidas pela Terra – devido às mudanças naturais na cobertura de nuvens – são as responsáveis pela maior parte do aquecimento. Se isso é um mecanismo específico ou não, eu insisto nesse ponto de vista minoritário de que o sistema climático pode mudar por si só. A mudança climática não requer uma “fonte” externa de forçar, como uma mudança no Sol.

14. O que poderia causar as mudanças naturais nas nuvens? Acho que pequenas mudanças de longo prazo nos padrões dos fluxos atmosféricos e oceânicos podem causar alterações em torno de 1% na quantidade de luz solar que passa através das nuvens e que aquecem a Terra. Isto é tudo o que é necessário para causar o aquecimento global ou o arrefecimento. Infelizmente, não temos medições suficientemente precisas sobre as nuvens para determinar se estas são a principal causa do aquecimento nos últimos 30 a 50 anos.

15. Qual a importância dos e-mails do Climategate? O Climategate, por si só, não significa a nulidade dos case do IPCC sobre o aquecimento global que já aconteceu, ou que os seres humanos são a principal causa desse aquecimento, mas ilustra algo que enfatizo em meu primeiro livro, “Climate Confusion“, que pesquisadores do clima são humanos e propensos a preconceitos.

16. Porque se verifica um viés nas pesquisas sobre o clima? Acho que os cientistas perseguem os dados orientados por abordagens muitas vezes influenciadas por noções pré-concebidas dos pesquisadores sobre um dado problema. Não é que o clamor do IPCC de que os seres humanos causam o aquecimento global seja algo insustentável e impossível, é que as pressões políticas e financeiras fazem com que o IPCC praticamente ignore totalmente as explicações alternativas para o aquecimento.

17. Qual é a importância do “consenso científico” na pesquisa sobre o clima? No caso do aquecimento global, é quase inútil. O sistema climático é tão complexo que a grande maioria dos cientistas do clima – geralmente especialistas em diversas áreas específicas – assume que há cientistas mais qualificados, e eles estão apenas apoiando as opiniões de seus colegas. E entre esse pequeno grupo de especialistas mais experientes, há um elemento considerável de pensamento coletivo, a mentalidade de rebanho, a pressão dos colegas, a pressão política, o apoio das políticas energéticas certas e o desejo de salvar a Terra – se é que ela precisa ser salva ou não.

18. Quão importantes são os modelos computadorizados sobre o clima? Considero que os modelos climáticos computadorizados são a nossa melhor forma de explorar a causa e o efeito no sistema climático. É muito fácil estar errado neste negócio, e a menos que você possa demonstrar o nexo de causalidade com números em equações, os cientistas que tentam convencer um ao outro acenando suas mãos terão dificuldades. Infelizmente, não há nenhuma garantia de que os modelos climáticos vão produzir alguma previsão útil do futuro. No entanto, devemos usá-los e nós aprendemos muito com eles. Minha maior preocupação é que os modelos têm sido utilizados quase exclusivamente para apoiar a afirmação de que os seres humanos causam o aquecimento global, ao invés de explorar hipóteses alternativas – por exemplo, variações naturais do clima – como possíveis causas desse aquecimento.

19. O que eu prevejo sobre as mudanças da temperatura global no futuro? Minha tendência inicial é evitar as previsões de longo prazo, porque ainda há muitas incertezas. Quando pressionado, porém, minha tendência é dizer que acho que a possibilidade de arrefecimento em nosso futuro é tão real quanto a de aquecimento. É claro que uma terceira possibilidade é que a temperatura permaneça relativamente constante, sem aquecimento ou arrefecimento significativo no longo prazo. Tenha em mente que, quando você descobrir no futuro que o seu previsor do tempo favorito estava certo ou errado, ninguém vai se lembrar daqui a 50 anos de um cientista que fez uma previsão errada hoje, de que vamos todos morrer de insolação em 2060.

Observações finais

Os pesquisadores do clima não sabem tanto sobre as causas das alterações climáticas quanto profetizam. Nós temos uma compreensão muito boa de como o sistema climático funciona, em média… mas as razões para as pequenas mudanças de longo prazo no sistema climático são ainda extremamente incertas.

A quantidade total de CO2 que o homem adicionou à atmosfera nos últimos 100 anos representa um incremento da energia radiante da Terra de apenas 1%. Como o sistema climático responde a esse incremento tão pequeno ninguém sabe ao certo. O IPCC diz que haverá um forte aquecimento, com mudanças nas nuvens que farão com que o aquecimento seja ainda pior. Eu afirmo que haverá um aquecimento fraco, com alterações nas nuvens atuando de forma a reduzir a influência dessa mudança de 1%. A diferença entre estes dois resultados é se o feedback das nuvens é positivo (o ponto de vista do IPCC) ou negativo (o meu ponto de vista e de uma minoria de outros).

Até agora, nenhum dos lados foi capaz de provar que estava certo. O fato de que a incerteza ainda existe sobre esta questão central não é apreciado por muitos cientistas!

Mais uma vez, vou salientar que algumas pessoas muito inteligentes que se consideram céticos vão discordar de alguns dos meus pontos de vista mencionados acima, particularmente quando se trata de explicações sobre o que causou o aquecimento, ou o que fez com que o CO2 atmosférico aumentasse.

Ao contrário do exército de pesquisadores sobre o clima global que o IPCC alistou, não estamos marchando em sintonia. Estamos dispostos a admitir, “nós realmente não sabemos”, ao invés de enganar as pessoas com frases como: “o aquecimento que vemos é consistente com um aumento de CO2″, e, então, o público pensar que isso significa “nós determinamos, através da nossa extensa pesquisa e de todas as possibilidades, que o aquecimento não pode ser devido a alguma outra coisa além do CO2″.

A maneira como avançam as explicações alternativas (hipóteses) dos céticos para a variabilidade climática representa a forma como a comunidade de pesquisadores consegue operar, diante da política, dos resultados das políticas, e de bilhões de dólares envolvidos.

SAND-RIO

One Comment

  1. Posted 10 agosto 2010 at 2:48 AM | Permalink

    PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTORES RURAIS

    A Federação da Agricultura do Estado do Espírito Santo (FAES), através de seu Conselho de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (COMARH), com o apoio do Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental / NEPA, está iniciando uma pesquisa (inéditas e em âmbito estadual) voltada ao estudo da percepção ambiental dos produtores rurais. Entre outros objetivos, a pesquisa visa assegurar à FAES informações adicionais para seu programa de conscientização ambiental do segmento dos produtores rurais. É pretensão do NEPA levar (posteriormente) esta importante pesquisa para outros Estados de modo a, progressivamente, ter o cenário da percepção ambiental nacional do segmento O NEPA acaba de concluir na Região da Grande Vitória (ES), pesquisa também inédita para a região, um estudo da percepção ambiental da sociedade frente à problemática (causas, efeitos, prós e contras) das mudanças climáticas.

    Roosevelt S. Fernandes, M. Sc.
    Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental / NEPA
    roosevelt@ebrnet.com.br


Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: